Dos acordos secretos à proximidade com a Pfizer. Os segredos de Israel para o sucesso na vacinação

Com cerca de um terço da população já vacinada, é o país que mais vacinou contra a Covid-19. A proximidade com o CEO da Pfizer, a encomenda de milhões de doses antecipadamente e os testes-piloto marcam uma campanha de vacinação que está à frente.

Amir Cohen/Pool/AFP

Um mês depois de ter começado o processo de vacinação contra a Covid-19, Israel regista 2,6 milhões de pessoas inoculadas com a primeira dose da vacina e 1,2 milhões já imunizados contra o vírus. Segundo os dados do Ministério da Saúde, o país oriental, com uma população de nove milhões de pessoas, lidera neste momento o processo de vacinação no mundo com cerca de 30% da população já inoculada.

O processo de vacinação israelita, além de colocar o país à frente na tabela, já começa a mostrar evidências quanto à sua eficácia. De acordo com o Governo de Benjamin Netanyahu (um dos primeiros vacinados, em dezembro), o país está a registar uma quebra de 60% no número de hospitalizações de doentes com Covid-19, com mais de 60 anos. A quebra começou a registar-se dois dias depois de ter começado a ser dada a segunda dose da vacina da Pfizer/BioNTech.

Para avaliar a eficiência da vacina e provar que o país caminha no sentido da imunidade de grupo, a Maccabi Healthcare Services, uma organização independente de prestação de cuidados de saúde, concluiu que menos de 0,01% contraíram o vírus mais de uma semana depois de receber a segunda dose. Em números reais, das 128 mil pessoas inquiridas, apenas 20 voltaram a testar positivo à Covid-19, um valor que deixa os especialistas e analistas muito animados, de acordo com a “Reuters”, esta terça-feira.

Embora os estudos sejam preliminares, Anat Ekka Zohar, responsável pelo estudo, sublinhou que a informação é importante “já que todo o mundo está a prestar atenção a Israel para receber informação sobre a eficácia da vacina”, afirmou.

Negociações antecipadas com a Pfizer puseram Israel à frente no processo de vacinação

Em dezembro, quando a União Europeia se preparava para aprovar a primeira vacina contra a Covid-19, depois de o Reino Unido já ter arrancado com a primeira vacina administrada semanas antes, o primeiro-ministro Netanyahu e o ministro da Saúde Yuli Edelstein tiveram cerca 17 conversas com o CEO da Pfizer Albert Bourla para formalizar as primeiras encomendas, conta o “Financial Times”.

Os dois governantes tinham como objetivo montar o processo de vacinação mais rápido e eficiente com o intuito de partilhar informações sobre a eficácia da vacina com a farmacêutica (bem como à Organização Mundial da Saúde) sobre a idade, sexo e histórico médico dos vacinados, desde de que a Pfizer não interrompesse o fornecimento de fármacos. Certa da importância da missão israelita, a Pfizer concordou em entregar 10 milhões de doses da vacina em meados de dezembro, incluindo uma promessa de entregas de 400 a 700 mil doses todas as semanas, segundo os dados do “Politico”.

Com o acordo, a farmacêutica tornou Israel num estudo de caso de uma campanha de vacinação rápida e eficiente. Se for bem-sucedida, a estratégia da farmacêutica pode impulsionar a marca mundialmente.

“Nós convencemo-los de que se nos derem a vacina primeiro, saberemos exatamente como administrá-la no menor tempo possível – e foi exatamente isso o que aconteceu”, cita o jornal britânico as declarações do ministro da Saúde de Israel.

No dia 5 de janeiro, as autoridades divulgaram oficialmente que Israel pagou 30 dólares por pessoa, o equivalente a 25 euros por cada habitante. Um valor que é mais do dobro do preço listado pela Bélgica, por exemplo, que revelou acidentalmente num tweet a sua lista de preços.

Por outro lado, uma emissora pública de Israel coloca o preço por vacina mais alto: 47 dólares por pessoa – cerca de 39 euros.

Netanyahu — que está em campanha para ser reeleito em março — também mencionou várias vezes a sua relação de proximidade com os CEOs da AstraZeneca e da Moderna, sugerindo que estes contatos ajudaram o país a garantir outros milhões de doses. Feitas as contas, até março o país israelita deverá registar um excedente de vacinas.

“Estamos a vacinar 10 vezes mais do que os Estados Unidos”, avançou o primeiro ministro, este domingo, garantindo que serão inoculadas mais de um milhão de doses esta semana. “Nenhum país está a fazê-lo como nós”.

Até ao momento, o plano de vacinação do governo de Tel Aviv está focado na vacinação das pessoas com mais de 60 anos, profissionais de saúde e pessoas com comorbilidades associadas. A segunda fase será dedicada a pessoas com mais de 55 anos com doenças subjacentes.

Ler mais
Recomendadas
Olivier Dassault

Político e bilionário francês Olivier Dassault morre em queda de helicóptero

Neto do fundador do grupo de indústria aeroespacial Dassault tinha ativos no valor de cinco mil milhões de euros. Afastara-se da gestão dos negócios de família devido a incompatibilidades com o mandato de deputado.

PremiumRecessão e pandemia entre os maiores riscos para as empresas

‘Country manager’ da Marsh Portugal, Rodrigo Simões de Almeida, prevê que ainda este ano se assista a transações de consolidação no sector financeiro.

PremiumAnacom não deve conseguir atribuir as licenças 5G no primeiro trimestre

Anacom esperava que o leilão de frequências ficasse concluído em janeiro, mas a corrida pelas novas faixas ainda está em curso. Regulador previa concluir a atribuição das licenças até ao final de março.
Comentários