Dos Países do mundo lusófono

A CPLP é uma Comunidade em permanente construção e que, por isso, deve persistir num esforço de não frustrar as expectativas dos seus cidadãos e adequar-se aos desafios de um mundo em acelerada transformação.

Criada em 1996, a CPLP – Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, teve como objectivo fundacional a promoção e divulgação da língua portuguesa. Congrega hoje cerca de 230 milhões de pessoas e une países em quatro continentes. Como já dizia Olavo Bilac – Portugal deixou no Brasil como herança cultural a “última flor do Lácio”. Ao observarmos o mapa do mundo lusófono, percebemos que o nosso idioma comum se inclui numa vasta mas descontínua área, o que ocasiona diferenças na pronúncia, gramática e vocabulário. Mas, mesmo assim e apesar de tudo, mantem a sua unidade e apresenta coesão entre as suas variedades linguísticas.

A CPLP é uma Comunidade em permanente construção e que, por isso, deve persistir num esforço de não frustrar as expectativas dos seus cidadãos e adequar-se aos desafios de um mundo em acelerada transformação. Faço notar que a CPLP assumiu, desde a sua origem, o desafio de ser também um espaço de amizade e cooperação entre povos que partilham, não só o elemento linguístico-cultural, mas outros valores comuns que os identificam, como a Paz, a Democracia, os Direitos Humanos, o Desenvolvimento e a Justiça Social.

Sendo a CPLP uma Comunidade multipolar e em que a dispersão geográfica dos seus Estados membros pode parecer uma desvantagem, revela-se no entanto que esta dimensão a coloca em 4 continentes, fazendo com que Portugal seja a porta de entrada na Europa (União Europeia), o Brasil na América Latina (Mercosul), Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe em várias Comunidades Regionais em África (SADC, CEDEAO) e Timor-Leste na Oceânia (ASEAN).

A CPLP tem visto aumentar o seu papel enquanto promotora de cooperação para o desenvolvimento. É inegável a aposta na diversificação, definição e estruturação de Planos Estratégicos de Cooperação, permitindo enquadrar atividades relevantes para objetivos e necessidades reconhecidas pelos diferentes atores da Comunidade. Mas é notória a necessidade de fortalecer a sua capacitação, através por exemplo da transferência de conhecimento, nomeadamente utilizando a cooperação triangular Norte-Sul-Sul e a cooperação Sul-Sul.

O enorme potencial da CPLP exige foco nos projetos de promoção da língua portuguesa para o seu enraizamento, habilidade na concertação político-diplomática para o reforço da sua presença no cenário internacional e empenho redobrado na cooperação em todos os domínios para acerto numa passada mais uniforme. E atente-se aqui no sublinhado, a traço cheio, na atenção à cooperação em todos os domínios e entre todos. Assim não ofenderá ninguém dizer-se que muito está feito mas que tudo está por fazer.

Recomendadas

Da liberdade e do exemplo

O Estado deve ser responsável, pedagógico e eficaz. Deve contrariar onde o interesse comum o justifique, deve abster-se de seguir a corrente mais fácil.

Ele, Cabinda de Simulambuco

Cabinda é hoje uma das 18 províncias e o único enclave de Angola. Nele lavra um conflito que dura há mais de 40 anos e que começou com uma tentativa separatista ainda no tempo colonial.

E se a TAP não levantar voo?

Nenhum debate sério sobre a TAP pode partir de um tabuleiro inclinado para um dos lados, prejudicado por duas premissas que envolvem um extraordinário sacrifício financeiro para o Estado, sem garantia de retorno ou sucesso.
Comentários