‘Dot plot’: Mais de dois terços dos membros da Fed não vêem mais subidas nos juros este ano

De acordo com o ‘dot plot’, diagrama que ilustra o nível em que os membros vêem essa taxa no final do ano, 11 dos 16 decisores acredita que a ‘federal funds rate’ irá continuar no intervalo dos 2,25% a 2,50% até 2020.

A Reserva Federal dos Estados Unidos deverá manter a taxa de juro de referência inalterada até pelo menos ao final do ano, segundo indicam as avaliações dos membros do Federal Open Market Committee (FOMC), divulgadas esta quarta-feira.

De acordo com o dot plot, diagrama que ilustra o nível em que os membros vêem essa taxa no final do ano, 11 dos 16 decisores acredita que a federal funds rate irá continuar no intervalo dos 2,25% a 2,50% até 2020.

Em relação ao final do próximo ano, sete dos membros do comité colocam a taxa de juro no intervalo atual, enquanto quatro acreditam que poderá estar um nível acima, ou seja entre 2,5% e 2,75%, enquanto os restantes cinco prevêem que fica acima desse nível.

A última vez que o FOMC implementou um aumento na federal funds rate foi em dezembro de 2018, ano em que implementou quatro subidas. No entanto, na última reunião, em janeiro, a instituição liderada por Jerome Powell alterou a posição em relação ao percurso dos aumentos das taxas de juro dizendo que irá ser paciente, tendo em conta os desenvolvimentos económicos e financeiros, quando anteriormente apontava para aumentos graduais.

Essa posição foi reiterada no final da reunião de dois dias que terminou esta quarta-feira.

[Atualizada às 18h17]

 

Ler mais
Relacionadas

Fed menos otimista, vê a economia norte-americana a crescer 2,1%

Numa nota publicada esta quarta-feira, após o fim da reunião de dois dias do Comité Federal de Mercado Aberto (FOMC), a instituição liderada por Jerome Powell, revê em baixo o crescimento do PIB norte-americano.

Reserva Federal joga paciência e mantém a taxa de juro inalterada

Banco central norte-americano manteve a ‘federal funds rate’ fixada num intervalo entre 2,25% e 2,50%.
Recomendadas

Apesar da ira de Trump, Sintra não foi palco de ‘guerra cambial’ entre Europa e EUA

Primeiro dia do Fórum do Banco Central Europeu (BCE), em Sintra, ficou marcado pela troca de palavras entre Donald Trump e Mario Draghi. “Não visámos as taxas de câmbio”, disse o presidente do BCE, em resposta à crítica do presidente norte-americano sobre o impacto de possíveis cortes adicionais da taxa de juros na zona euro.

Stanley Fischer fez duas previsões: se Trump for reeleito, a Fed terá novo presidente e os EUA serão do “terceiro mundo”

Ex-governador do Banco de Israel e ex-vice da Fed durante a administração de Obama, Stanley Fischer disse que o atual presidente da Reserva Federal norte-americana tem os dias contados se Donald Trump for reeleito. E, nesse caso, existe a probabilidade de os EUA se tornarem num país do ‘terceiro mundo’.

Carney salienta que Banco de Inglaterra pode relançar programa para estimular concessão de crédito

No Fórum do Banco Central Europeu, Mark Carney defendeu ainda a importância de comunicar o ‘guidance’ para “gerir expectativas à medida que as circunstâncias mudam”.
Comentários