Dow Jones e S&P 500 recuperam a meio da semana e abrem no ‘verde’

A Amazon sobe 0,20% para 3.230,38 dólares, depois de o fundador da gigante do comércio eletrónico, Jeff Bezos, ter expressado publicamente o seu apoio ao aumento dos impostos às empresas dos Estados Unidos para ajudar a financiar as despesas com infraestruturas no país.

Reuters

A bolsa de Nova Iorque recuperou ligeiramente do sentimento pessimista de ontem a abriu as negociações desta terça-feira mista, enquanto os investidores aguardam detalhes da última reunião de política monetária da Reserva Federal (Fed). O Dow Jones voltou aos ganhos e o Standard & Poor’s 500 aproxima-se mesmo de novos recordes.

Assim, o índice industrial sobe 0,22% para 33.502,35 pontos, enquanto o financeiro avança 0,10% para os 4.077,85 pontos. Já o Nasdaq perde 0,28% para os 13.660,04 pontos e o Russell 2000 desvaloriza 0,40 para os 2.250,90pontos.

A Amazon sobe 0,20% para 3.230,38 dólares, depois de o fundador da gigante do e-commerce, Jeff Bezos, ter expressado publicamente o seu apoio ao aumento dos impostos às empresas dos Estados Unidos (EUA) para ajudar a financiar as despesas com infraestruturas no país (estipuladas no megaplano de Joe Biden).

Já o banco norte-americano JPMorgan Chase vê os títulos subirem 0,89% para 153,90 dólares, após o CEO ter referido que antecipa um forte crescimento da maior economia no mundo no curto prazo, graças à resposta do governo à pandemia, que permitiu aos consumidores terem poupanças. A ideia de Jamie Dimon foi transmitida na carta anual aos acionistas divulgada hoje.

“Os investidores parecem estar à espera de que as minutas da reunião da FOMC [Federal Open Market Committee] sejam divulgadas. Se o documento revelar que houve declarações  sobre um eventuais alterações da política monetária atual, os mercados poderão reagir, provocando períodos de maior volatilidade”, diz Henrique Tomé, analista da XTB.

“As bolsas continuarão apoiadas pelo ciclo económico expansionista e pela aceleração da campanha de vacinação, tanto nos EUA como na Europa. Prevemos uma sessão de ligeiras subidas nas bolsas, consolidando os níveis máximos históricos”, escreveram os analistas do Bankinter, em research.

Nas matérias-primas, o valor do ‘ouro negro’ está a descer ligeiramente. O preço do petróleo WTI, produzido no Texas, cai 0,52% para os 59,02 dólares por barril, enquanto a cotação do barril de Brent está a desvalorizar o,41% para os 62,48 dólares.

Quanto ao mercado cambial, o euro valoriza 0,10% face ao dólar, para os 1,1887 dólares, enquanto a libra esterlina recua 0,57% face à moeda dos Estados Unidos, para os 1,3744 dólares.

Ler mais

Recomendadas

“Mercados em Ação”. “Principal fator para a força do euro é a fraqueza do dólar”

“Penso que os dois fatores contribuem. O principal fator que contribui para a força do euro será a fraqueza do dólar, neste momento. Claro que temos também o aumento do apetite pelo risco”, salientou o analista sénior Ricardo Evangelista no programa da JE TV.

Grupo EDP dispara em bolsa em reação ao compromisso de redução de emissões em 50% dos EUA

O grupo energético português juntou-se a mais 406 empresas que pediram à administração de Joe Biden que assumisse compromissos climáticos mais “ambiciosos” no dia em que decorre a Cimeira para o Clima.

Bancos e tecnológicas mantêm Wall Street em queda

Os três principais índices abriram no ‘vermelho’. “Ações ligadas a energias renováveis também merecem atenção, na véspera da cimeira ambiental organizada por Biden e que contará com a presença do presidente chinês”, refere o analista Ramiro Loureiro.
Comentários