Doze concelhos portugueses perderam balcões dos Correios e da Caixa

Destas três dezenas de cidades, cerca de metade situa-se nos distritos de Portalegre, Évora e Beja, segundo a informação disponibilizada pela Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) ao JN

Rafael Marchante/Reuters

Há, pelo menos, 12 concelhos portugueses onde foram encerrados balcões dos CTT – Correios de Portugal e da Caixa Geral de Depósitos (CGD), de acordo com as contas feitas pelo “Jornal de Notícias” (JN). É o caso, por exemplo, de Estarreja, onde a população se tem revoltado e feito abaixo-assinados.

Só no ano passado, o banco público pôs fim a 65 balcões e os CTT fecharam as portas a 70 estações, fazendo com que 33 concelhos nacionais ficassem sem estações (independentemente de haver postos em estabelecimentos de comércio).

Destas três dezenas de cidades, cerca de metade situa-se nos distritos de Portalegre, Évora e Beja, segundo a informação disponibilizada pela Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) ao JN. Porém, o operador de correio postal refere que está presente “em todos os concelhos do país”, onde mantem, “pelo menos, um Ponto CTT (loja ou posto)”.

Recomendadas

Reformados do BCP exigem aumentos das pensões

A moção com esta exigência foi aprovada em reunião em 18 de julho, referindo essa moção que estes reformados que, ao contrário dos outros pensionistas bancários, não vêem as pensões atualizadas desde 2010.

EuroBic também anuncia Verão sem gravata

Mais um banco a aderir à moda de deixar de obrigar ao uso da gravata. Desta vez é o EuroBic, depois do Montepio e do BCP. Lá fora a moda parece ter vindo para ficar.

Millennium BCP recusa proposta de revisão do Acordo Coletivo feita pelos sindicatos bancários

O Banco recusou a proposta dos três sindicatos. Isto é, um aumento de 2,25%, igual ao verificado no setor bancário no mesmo período em que não se verificam aumentos salariais no BCP, desde 2010, para igualarem os trabalhadores aos restantes da banca. As negociações do ACT passam para fase da mediação com a Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho.
Comentários