Doze concelhos portugueses perderam balcões dos Correios e da Caixa

Destas três dezenas de cidades, cerca de metade situa-se nos distritos de Portalegre, Évora e Beja, segundo a informação disponibilizada pela Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) ao JN

Rafael Marchante/Reuters

Há, pelo menos, 12 concelhos portugueses onde foram encerrados balcões dos CTT – Correios de Portugal e da Caixa Geral de Depósitos (CGD), de acordo com as contas feitas pelo “Jornal de Notícias” (JN). É o caso, por exemplo, de Estarreja, onde a população se tem revoltado e feito abaixo-assinados.

Só no ano passado, o banco público pôs fim a 65 balcões e os CTT fecharam as portas a 70 estações, fazendo com que 33 concelhos nacionais ficassem sem estações (independentemente de haver postos em estabelecimentos de comércio).

Destas três dezenas de cidades, cerca de metade situa-se nos distritos de Portalegre, Évora e Beja, segundo a informação disponibilizada pela Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) ao JN. Porém, o operador de correio postal refere que está presente “em todos os concelhos do país”, onde mantem, “pelo menos, um Ponto CTT (loja ou posto)”.

Recomendadas

Caixa Geral está a vender Mercedes para atingir metas da recapitalização

Campanha de crédito “imbatível” está a chegar por email a clientes. Banco justifica com metas “extremamente exigentes”. E diz que não está a promover o endividamento, pois clientes acederiam na mesma a outras opções de financiamento do mercado.

PremiumCTT injetam 100 milhões no banco para comprar 321 Crédito

BCE autorizou aquisição porque os CTT garantiram aumento de capital. Na AG, 44% do capital presente, incluindo o maior acionista Champalimaud, recusou menção de louvor à gestão de Lacerda.

PremiumCGD está a vender Mercedes para atingir metas da recapitalização

Campanha de crédito “imbatível” está a chegar por email a clientes. Banco justifica com metas “extremamente exigentes”. E diz que não está a promover o endividamento, pois clientes acederiam na mesma a outras opções de financiamento do mercado.
Comentários