DS Smith tem de vender unidade de Ovar para concretizar OPA à Europac

Esta foi uma das condições para a Comissão Europeia aprovar a OPA lançada pela DS Smith.

A DS Smith terá de alienar a unidade fabril da Europac em Ovar para poder concretizar a OPA – Oferta Pública de Aquisição que tem em curso sobre a própria Europac.

Essa é uma das condições que a Bruxelas impôs para autorizar a referida OPA, de acordo com um comunicado hoje divulgado pelo RAPID – Representação da Comissão Europeia em Portugal.

Com efeito, a Comissão Europeia autorizou a aquisição da Europac pela DS Smith, sujeita a condições, entre as quais a venda da unidade da Europac em Ovar, proposta pela DS Smith.

“A Comissão Europeia aprovou, ao abrigo do Regulamento das Concentrações da UE, a aquisição da Europac pela DS Smith, ambas produtoras de papel e produtos de embalagem”, anuncia o comunicado do RAPID.

Mas, para tal, Bruxelas exigiu remédios à DS Smith. “A investigação da Comissão centrou-se em produtos de embalagem, chapas onduladas e caixas de cartão canelado. A Comissão receava que a aquisição proposta reduzisse significativamente o nível de concorrência no mercado das chapas onduladas e, consequentemente, das caixas de cartão canelado em Portugal”, esclarece o referido comunicado.

“Para dar resposta às preocupações da Comissão em matéria de concorrência, a DS Smith propôs alienar: a unidade Europac em Ovar, Portugal, no que se refere ao fabrico e fornecimento de chapas onduladas e de caixas de cartão canelado em Portugal”, revela o mesmo documento.

Outro dos eventuais problemas de Concorrência em torno desta OPA da DS Smith sobre a Europac respeitava ao mercado de chapas onduladas de cartão na França Ocidental.

Para contornar esse obstáculo, a DS Smith propôs alienar duas instalações fabris, a DSS Normandie e DSS Normandie (Cabourg), que produzem chapas onduladas e caixas de cartão canelado e abastecem a região ocidental de França, em especial a Bretanha.

“Estes compromissos eliminam em grande medida a sobreposição no que diz respeito ao fornecimento de chapas onduladas em Portugal e, como tal, qualquer problema de encerramento no que diz respeito às caixas de cartão canelado. Por conseguinte, a Comissão concluiu que a operação proposta, tal como alterada pelos compromissos, deixaria de suscitar preocupações em matéria de concorrência no EEE [Espaço Económico Europeu]”, conclui o mesmo comunicado, ressalvando que “a decisão está subordinada ao respeito integral dos compromissos” anteriormente referidos.

Ler mais
Recomendadas

Exportações de componentes automóveis mantêm quebra acentuada

Em comunicado enviado à agência Lusa, a AFIA sublinha que os efeitos da pandemia de covid-19 continuam a ser notórios, notando que desde 2009 não se verificava um mês de maio com valores tão baixos nas exportações de componentes automóveis, a registarem uma queda de mais de metade, para 388 milhões de euros.

Tesla pode entrar no S&P 500, estima Reuters

A empresa gerida por Musk conta com uma capitalização de mercado de 250 mil milhões de dólares, maior do que 95% das empresas já pertencentes ao índice norte-americano.

ANA – Aeroportos de Portugal avança com plano de “saídas voluntárias”

“Perante uma crise que sabemos agora ser duradoura, é também necessário, desde já, um redimensionamento das nossas equipas”, referiu Thierry Ligonnière, num ‘email’, enviado aos colaboradores.
Comentários