PremiumDuarte de Athayde: “Apesar da crise, o nosso volume de negócios subiu 13%”

O ‘managing partner’ da Abreu Advogados refere que, apesar do travão que as restrições causaram, a sociedade teve uma subida de, pelo menos, 18% na cobrança de honorários.

O managing partner da Abreu Advogados alerta que o novo confinamento geral é mais preocupante, porque no de março e abril as empresas tinham mais pujança para suportar a paralisação das atividades económicas. Duarte de Athayde receia que estas restrições tenham “um efeito muito mais devastador” do que as do ano passado.

“É diferente parar o comboio em março, quando ele está em velocidade máxima, do que parar em janeiro de 2021. Temos agora um recolhimento, numa altura em que as empresas não estão em velocidade de cruzeiro, fecharam o ano em dezembro e estão a arrancar novamente”, afirmou, em entrevista ao Jornal Económico (JE). O advogado teme que se confinamento se prolongar e durar mais de um mês seja “um ano reduzido”, com apenas nove meses de negócios.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas
luís_menezes_leitão_bastonário_ordem_advogados

Ordem dos Advogados vai iniciar revisão dos estatutos

A entidade liderada por Luís Menezes Leitão deliberou ainda, em reunião do Conselho Geral esta sexta-feira, que irá averiguar eventuais situações de incompatibilidade de advogados nos conselhos superiores do Ministério Público.
antónio_costa_silva_partex_4

Sérvulo promove encontro com António Costa e Silva

A Sérvulo promove na próxima semana uma conferência online que conta com a participação de António Costa e Silva, o autor do documento que serve de base ao Plano de Recuperação Económica de Portugal 2020-2030. Assista ao evento no próximo dia 11 de março, na JE TV. Os leitores do Jornal Económico poderão enviar questões para colocar aos oradores.

“Direito de desconexão poderá ser um mecanismo interessante”, defende coordenador da área laboral da PLMJ

As refeições e o trabalho são feitos no mesmo espaço físico, mas é necessário existir uma separação e equilíbrio entre a vida pessoal e profissional para evitar um burnout. A advogada Carmo Sousa Machado defende que no futuro se vão verificar “consequências inevitáveis” do teletrabalho.
Comentários