Dúvidas sobre Luís Filipe Vieira travam OPA do Benfica

CMVM tem dúvidas quanto ao preço e aos conflitos de interesses do presidente da SAD e de José António dos Santos, avança o “Jornal de Notícias”.

Cristina Bernardo

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) está há três meses a enviar perguntas ao Benfica SGPS que envolvem Luís Filipe Vieira e outros acionistas da SAD, sobre a Oferta Pública de Aquisição (OPA) lançada em novembro, avança o “Jornal de Notícias” (JN) na edição desta quinta-feira.

Segundo o diário portuense, a operação ainda não teve ‘luz verde’, porque o regulador dos mercados tem dúvidas quanto ao preço e a possíveis conflitos de interesses. É o caso da ligação empresarial entre o presidente do clube das águias e José António dos Santos, o maior acionista privado desta sociedade desportiva (12,7%).

A última troca de informações entre a CMVM e os envolvidos remete para esta dupla de detentores de participações, tendo em conta que são – juntamente com seus cônjuges – sócios nas imobiliárias Sul Crescente e Palpites e Teorias.

De acordo com o jornal “Público”, José António dos Santos reforçou recentemente a sua participação na SAD do Benfica, tendo comprado, na segunda-feira “largas centenas de milhares de euros” em ações. Na sua opinião, a OPA é um “mau negócio” para si.

Recomendadas

Futebol: campeonatos nacionais não profissionais concluídos antecipadamente pela FPF

A FPF dá por concluídas as provas desta época, sem atribuir vencedores a estas competições nem se fazendo sentir o regime de subidas e descidas.

“Nunca o modelo americanizado esteve tão próximo”, considera juiz do TAD

Que modelos competitivos vamos ter no contexto do desporto europeu após a pandemia de Covid-19. Jerry Silva, juiz do Tribunal Arbitral do Desporto, considera que está aberto o caminho para a realização de competições fechadas como a SuperLiga europeia.

“Vamos precisar de um Plano Marshall para o futebol”

Luís Miguel Henrique referiu na última edição do programa “Jogo Económico”, da plataforma JE TV, que um corte como aconteceu no FC Barcelona, por exemplo, dificilmente poderia ser replicado num clube da Liga portuguesa. “É difícil que o problema se resolva à escala de cada país, FIFA e UEFA têm meios para ajudar os clubes”, realçou.
Comentários