É oficial: Governo revê em baixa crescimento da economia para 1,9% este ano

No Programa de Estabilidade 2019-2023, o Governo atualizou as metas de crescimento do PIB.

Cristina Bernardo

A meta de crescimento da economia portuguesa de 2,2% para este ano foi revista em baixa pelo Governo no Programa de Estabilidade 2019-2023, apresentado esta segunda-feira. O Executivo vê agora a economia a crescer 1,9% este ano, três décimas abaixo do valor inscrito no Orçamento do Estado.

“A estimativa do crescimento real do PIB para 2019 é de 1,9%, sustentado pela dinâmica do
investimento e das exportações. Este valor situa-se acima das previsões para a área do euro por
parte das principais instituições internacionais, projetando a manutenção de um processo de
convergência real pelo terceiro ano consecutivo”, afirmou o Governo no documento enviado ao Parlamento e a Bruxelas.

A desaceleração face a 2018, ano no qual a economia cresceu 2,1%, “deverá resultar de um menor contributo da procura interna, parcialmente compensado por uma melhoria do contributo da procura externa líquida”, adiantou.

O menor contributo da procura interna em 2019 deverá resultar de uma desaceleração das despesas de consumo final das famílias e das administrações públicas. “De acordo com este cenário, o crescimento do consumo privado abranda para 1,8%, em linha com a desaceleração prevista para o crescimento do emprego (que deverá crescer 0,6%) e o ritmo mais lento de redução da taxa de desemprego (-0,4 p.p., para 6,6%)”, enquanto o investimento deverá crescer 5,3%, em linha com o investimento público e os projetos de investimento privado já conhecidos”.

A melhoria do contributo da procura externa líquida deverá estar associada a uma estabilização das exportações acompanhada por uma desaceleração das importações, a qual espelha a evolução da procura global, sublinhou o Governo.

Para 2020 a projeção é também de um crescimento de 1,9%, com a economia a expandir 2% nos dois anos seguintes e 2,1% em 2023.

O crescimento do consumo privado deverá acelerar ligeiramente, mantendo sempre um ritmo de crescimento similar ao do PIB. “A projeção do investimento aponta para uma desaceleração a partir de 2020, estabilizando em torno dos 4,5% até final do horizonte de previsão”, explica o documento. “O crescimento do consumo público deverá estabilizar em torno de 0,5%. As exportações deverão crescer em torno de 3,8% a partir de 2020, refletindo sobretudo a procura externa relevante dirigida à economia portuguesa”.

[Em atualização]

 

 

Ler mais
Recomendadas

Angolana Aenergy vai gerir elétrica pública do Gana durante 20 anos

A Aenergy, liderada pelo português Ricardo Machado, ganhou a concessão e vai realizar um investimento superior a 530 milhões de euros.

José Avillez abriu no Dubai mas fechou três restaurantes em Lisboa

A Cantina Zé Avillez, um dos mais populares, junto ao Campo das Cebolas também encerrou as portas ao público. Abriu em 2018 e o objetivo era servir almoços rápidos para a população lisboeta.

Quanto tempo tem de trabalhar para comprar um Ferrari exclusivo de 32 milhões? Messi só precisou de 4 meses

A revista Forbes divulgou esta semana os rendimentos dos desportistas mais bem pagos de 2019, e a Apuestas Deportivas decidiu analisar com quantas horas de trabalho é que as estrelas conseguiram pagar o seu automóvel de eleição
Comentários