É possível fazer um computador parecido com novo Mac Pro sem gastar 6.000 euros? Sim

O novo computador da Apple é muito poderoso mas também o mais caro de sempre da marca. Será mesmo preciso gastar esta quantidade de dinheiro para se ter uma máquina tão potente?

Os novos computadores de secretária Mac Pro foram finalmente apresentados esta semana na edição de 2019 da conferência de programadores das plataformas Apple, WWDC, mas só chegam ao mercado no final deste ano. Esta nova máquina impressionou por várias razões. Em primeiro lugar as especificações que tornam um computador que, se estivermos a falar do mercado automóvel, pode ser comparável a um supercarro, pelo preço que no modelo de entrada de gama é de 6.000 dólares e no modelo mais potente pode ultrapassar os 30.000 e pelo design, que já foi comparado ao de um ralador de queijo gigante.

Mac Pro
A frente do novo Mac Pro tem um padrão fora do normal.

No momento em que escrevo estas linhas, o site da Apple em Portugal ainda não divulgou os preços para Portugal, no entanto, tradicionalmente, a Apple tem o hábito de pedir o mesmo valor em euros, por isso, muito provavelmente, o modelo com a configuração de entrada de gama irá custar 6.000 euros.

Monitor Apple Pro

Tudo isto sem monitor. A Apple apresentou em simultâneo com o computador, um monitor denominado Pro XDR de 32 polegadas com uma resolução máxima de 6016 x 3384, que irá custa também cerca de 6000 dólares isto sem o suporte, que custa mais 1000.

O preço parece exagerado, mas será que se consegue construir um computador comparável por menos dinheiro?

Processador

A Apple diz que o processador da máquina de entrada de gama é um Intel Xeon W a 3,5 GHz, podendo chegar aos 4 GHz em modo turbo, com oito núcleos físicos e 16 threads e 24,5 MB de cache.

Este processador não é um Xeon W Skylake, porque nesta gama não existem modelos com esta velocidade, por isso deverá ser um Cascade Lake, que foram apresentados pela Intel depois da apresentação do Mac Pro no WWDC.

A família de processadores Cascade Lake tem um modelo que funciona a 3,7 GHz, com modo turbo até 4 GHz (apesar de no site da Intel estar indicado que o turbo chega aos 4,4 GHz). Trata-se do modelo W-3223 que custa 749 dólares (cerca de 664 euros em câmbio directo, não encontrei preços para Portugal).

Este processador é o de entrada de gama da família Cascade Lake, mas suporta instruções AVX-512, o que oferece várias vantagens de desempenho em aplicações de ‘machine learning’ e científicas. No entanto, em aplicações mais “corriqueiras” pode oferecer alguma degradação de desempenho.

No que respeita ao desempenho no mundo real este processador ainda não foi provado por ter sido apresentado pela Intel há tão pouco tempo. Mas podem extrapolar-se alguns valores se tomarmos como ponto de partida os Xeon W da família Skylake. Nesta gama de produtos o mais próximo do W-3223 em termos de desempenho é o W-2123 (355 euros de preço médio) que tem apenas quatro núcleos físicos, 8 threads e que funciona a 3,6 GHz. Se olharmos para as especificações, o mais próximo será W-2145 (1354 euros de preço médio) que tem 8 núcleos, 16 threads e funciona a 3,7 GHz.

Se quisermos olhar para processadores mais virados para o mercado de consumo, o mais parecido será o Intel Core i9 9900K que também funciona a 3,6 GHz, tem 8 núcleos e 16 threads.

Geekbench

De acordo com os valores obtidos com o software de benchmark Geekbench, o i9 consegue ser mais rápido que o Xeon W-2123 e o W-2145 tanto nos testes multi-thread, como nos testes single-thread. O i9 custa em média 538 euros, segundo o site Kuantokusta.

Memória RAM

Segundo os dados que estão no site americano da Apple, o Mac Pro de entrada de gama vem com quatro SIMM de 8GB DDR4 com correcção de erros. No entanto embora a máquina tenha sido construída para utilizar memórias a 2933 MHz, o processador W-3223 apenas consegue utilizar a memória a 2666 MHz.

Em termos de desempenho a opção de utilizar quatro SIMM numa arquitectura de seis canais que a Apple escolheu para a RAM é algo estranha. Isto porque se tiver RAM de dois canais, consegue-se melhor desempenho se tiver a memória divida aos pares, se a memória for de quatro canais consegue-se melhor desempenho com a memória dividida em conjuntos de quatro SIMM. Seguindo a lógica, quando a memória é de seis canais, o ideal é ter seis SIMM.

O facto é que o Mac Pro só tem quatro SIMM, mas apesar de não conseguir espremer todo o desempenho possível, também não perde velocidade porque a memória começa a funcionar em modo de quatro canais como se a máquina tivesse sido desenhada dessa forma.

A Apple não especifica se a memória que está nesta máquina é de 2933 MHz (mais cara), ou de 2666 MHz mais barata. Mas, se tivesse de apostar, seria na de 2666 Mhz.

Vamos optar por 32 GB de memória DDR4 ECC a 2666 MHz. Neste caso o valor médio de venda em Portugal para kits de memória da Kingstion com estas características é de 254 euros, segundo o KuantoKusta.

Armazenagem

Neste campo o Mac Pro de entrada de gama fica algo curto porque apenas tem um SSD M.2 com 256 GB de capacidade. Se escolhermos um SSD M.2 com a mesma capacidade da Micron conseguimos comprá-lo por 48 euros. Uma solução mais rápida, por exemplo um Western Digital Black com a mesma capacidade custa 99.

Rede

O Mac Pro dispõe de uma ligação de rede com fios que funciona a 10 Gbps. Na minha pesquisa encontrei duas opções no nosso mercado, da Asus e da Gigabyte com um preço médio de 96 e 108 euros respectivamente.

Há que dizer que estas placas de rede apenas têm uma entrada enquanto o Mac Pro tem duas, independentemente da configuração.

Placa gráfica

Tradicionalmente, depois do processador, o componente mais caro de um computador costuma ser a placa gráfica. No caso do Mac Pro de entrada a gráfica será uma Radeon Pro 580X com 8GB de memória.

Estas placas gráficas em particular não estão disponíveis para compra, mas as RX 580 têm especificações muito semelhantes às que a Apple irá distribuir com os Mac Pro. No mercado português encontram-se vários modelos de várias marcas com um preço médio de 326 euros para o caso das Sapphire, ou 366 para as Asus. Mas existem de outras marcas.

Outros componentes

Faltam ainda alguns componentes como a motherboard, fonte de alimentação e chassis.

Apple Mac Pro
Um render do interior do novo Mac Pro.

O componente semelhante ao do Mac Pro que é mais difícil de encontrar será a motherboard, isto porque as placas da Apple são desenhadas e fabricadas in House. Por isso decidi procurar uma motherboard para Intel Xeon que pudesse acomodar todos os componentes que escolhi para o meu sucedâneo de Mac Pro e só consegui encontrar a Asus Z11PA-U12 que custa em média 458 euros.

A fonte de alimentação do Mac Pro tem uma potência máxima de 1280 W. Na minha pesquisa a mais próxima deste valor que encontrei foi a Corsair HX1200i que debita um máximo de 1200 W que tem um preço médio de 245 euros.

Fazer contas

Vejamos quanto é que custará construir um computador muito semelhante ao Mac Pro de entrada de gama utilizando apenas componentes que se encontram em Portugal:

Processador Intel Xeon W-2123: €355

Memória RAM Kingston: €254

SSD M.2 Micron 256 GB: €48

Placa de rede 10 Gbps Asus: €96

Placa gráfica Radeon RX 580: €326

Fonte de alimentação Corsair 1200W: €245

Motherboard Asus Z11PA-U12: €458

Total: €1782

Como se consegue ver, o preço de construir um computador com características semelhantes às do Mac Pro de 2019 não chega nem a metade do valor que a Apple está a pedir pelo computador. Claro que existem outros factores que não estão contabilizados como a amortização dos custos de pesquisa e desenvolvimento, design e o do chassis, que é todo em alumínio. Mas mesmo que coloque mais 1000 euros para isso em cima do valor a que cheguei ainda não chega a metade do preço real do Mac Pro.

PCGuia
Ler mais
Recomendadas

Tem carro a gasóleo? Vem aí novo aumento na próxima semana

Já a gasolina vai sofrer uma descida pela segunda semana consecutiva.

Premium“A classe média ainda não pode viver em Lisboa”

CEO e fundador da Essentia explica que, apesar de existir uma estabilização dos preços no mercado da reabilitação urbana, os portugueses que chegam ao centro histórico da cidade pertencem à “classe média alta e alta”.

Governo reforça camas para universitários

No âmbito do Plano Nacional para o Alojamento no Ensino Superior, as regiões do país ampliam a oferta de residências.
Comentários