Boehringer Ingelheim e Ordem dos Médicos atribuem prémios a projetos de saúde inovadores

“Falamos muito dos doentes Covid, mas o facto é que as outras doenças não desaparecem. Temos de nos focar cada vez mais nos doentes não Covid”, explicou Vanessa Jacinto, diretora de Market Access e Public Affairs da Boehringer Ingelheim.

A necessidade de se recuperar os cuidados de saúde, bem como de melhorar o Serviço Nacional de Saúde é urgente e, como tal, a Boehringer Ingelheim e Ordem dos Médicos criaram os prémios BI Award for Innovation in Healthcare 2021, que têm como objetivo incentivar a criação de projetos na área de Saúde.

“Falamos muito dos doentes Covid, mas o facto é que as outras doenças não desaparecem. Temos de nos focar cada vez mais nos doentes não Covid”, referiu ao Jornal Económico Vanessa Jacinto, diretora de Market Access e Public Affairs da Boehringer Ingelheim. “É cada vez mais premente recuperarmos os cuidados de saúde”, garantiu.

O BI Award for Innovation in Healthcare 2021 que tem como objetivo dar resposta às necessidades dos cuidados de saúde, apoiando ideias inovadoras que se foquem nas necessidades dos doentes e que possam ser postos em prática o quanto antes.

A Boehringer Ingelheim limitou o número de inscrições para 12 e estas vão decorrer até 16 de abril. Posto esta fase, será entregue um prémio em valor monetário, num total de 47.500 euros, a dividir pelas três equipas vencedoras. Os projetos vão ser avaliados pela empresa bem como pela Ordem dos Médicos.

A competição associada ao BI Award for Innovation in Healthcare 2021 ocorrerá de 21 a 23 de maio, durante um evento de hackathon, no qual os participantes se reúnem para resolver problemas sobre um tema específico.

Vanessa Jacinto contou que a iniciativa começou a ser desenhada desde o primeiro momento com a Ordem dos Médicos e o propósito era encontrar respostas que fossem além da pandemia. “Achamos que a nossa inovação não tinha que se limitar à pesquisa de vacinas ou de medicamentos para esta situação de pandemia. Quisemos ir mais longe e concretizar o nosso apoio de uma forma diferente”, explicou Vanessa Jacinto, recordando que o “número de consultas diminuiu cerca de 1,2 milhões” no ano passado.

Miguel Guimarães, bastonário da Ordem dos Médicos concorda com a perspetiva da Boehringer. “A situação que vivemos é crítica e os doentes em espera para consultas, exames e cirurgias adiados são apenas a ponta do icebergue. Precisamos de um verdadeiro plano de recuperação que revolucione procedimentos e invista em soluções inovadoras para um problema que vai muito para além dos que já tínhamos no passado”, apontou.

Um ano de pandemia e a Boehringer Ingelheim apenas somou projetos

A diretora de Market Access e Public Affairs da Boehringer Ingelheim recorda que ao longo deste ano marcado pela pandemia, a empresa adaptou-se bem ao teletrabalho, “toda a atividade manteve-se normal” e o fornecimento de medicamentos não foi afetado. “Conseguimos organizar as nossas equipas de forma a assegurar o nosso dia-a-dia de trabalho”, garantiu.

“Se em tempos não pandemia os medicamentos são fundamentais, muito mais em tempo de pandemia. Não sofremos com a pandemia devido ao facto de nacional e internacionalmente estarmos perfeitamente preparados para cenários de crise porque todos os anos temos simulacros de crise”, destacou Vanessa Jacinto.

A nível mundial, neste último ano e na área da Covid-19 a Boehringer Ingelheim apostou numa “uma série de colaborações a nível mundial seja com a iniciativa dos medicamentos inovadores de União Europeia, seja com a fundação Bill and Melinda Gates”, sublinhou Vanessa Jacinto. Em Portugal, a empresa doou “mais de 100 mil euros em materiais de proteção de instituições do Sistema Nacional de Saúde, como para instituições de cariz social”.

Recomendadas

Utentes elegíveis para vacina gratuita da gripe serão convocados pelo SNS

O agendamento e convocatória realizam-se através do envio de SMS pelas unidades de saúde ou SPMS; ou através de um telefonema ou envio de carta pelas unidades de saúde.

PremiumBiotecnológica liderada por médico português chega a Wall Street

“Há uma grande apetência do mercado e interesse dos investidores por quem trabalhe algo tão relevante como a saúde mental”, garante Tiago Reis Marques, CEO e cofundador da Pasithea Therapeutics.

Pandemia está a decrescer em Portugal mas metade dos óbitos em agosto estavam vacinados

Apesar da mortalidade ter vindo a descer, metade dos óbitos registados ocorreram em pacientes com o esquema vacinal completo. Ainda assim, à medida que a taxa de vacinação cresce, é expectável registar-se um aumento da proporção de vítimas mortais inoculadas contra a doença, explicam as autoridades de saúde portuguesa.
Comentários