E se pudesse encher garrafas de água no hipermercado? Agora já pode

Serviço inovador e exclusivo de self-service vai permitir o reenchimento de garrafas de água, através de um dispensador de água purificada.

O hipermercado Pingo Doce lançou um sistema que permite voltar a encher garrafas de água, um serviço apenas disponível para as garrafas ECO, com capacidade para 3 litros de água, com um custo de um euro. Na primeira compra, o enchimento não tem custos associados. Os reenchimentos seguintes passam a custar 18 cêntimos por garrafa saindo o preço por litro a 6 cêntimos.

Nesta fase inicial apenas três lojas vão dispor deste serviço, todas elas na região de Lisboa, (Alvalade, Expo Norte e Galhardas).

Sob o lema “Poupe em água de qualidade, enquanto ajuda o planeta”, este processo é disponibilizado por um dispensador de água canalizada que passa depois por um processo de purificação no interior da estação. As garrafas ECO têm um filtro Ultravioleta (UV) para proteger da luz, mas também para garantir a manutenção das propriedades da água.

Este processo faz parte do projeto ecodesign de embalagens do Pingo Doce, criado em 2009 com o intuito de reduzir os impactos ambientais associados às embalagens dos produtos de marca própria. No ano passado foram evitadas 2.495 toneladas de materiais de embalagens, principalmente os plásticos, cartão e vidro.

Recomendadas

“Vamos assistir à terceirização do e-commerce”, afirma presidente da ACEPI

O presidente da ACEPI, Alexandre Nilo Fonseca, considera que o ramo alimentar, “que até agora tem estado um bocadinho afastado do digital”, vai assistir a uma evolução no comércio ‘online’.

União Europeia facilita compras digitais mas Portugal falha prazo

“A Comissão está a acompanhar de perto a situação e em breve decidiremos as próximas medidas para garantir que todos os Estados-membros cumprem as suas obrigações”, diz Nathalie Vandystadt, porta-voz de Bruxelas.

Governo de Angola espera recessão de 1,7% em 2018

Ministro da Economia e Planeamento angolano referiu que depois de contrações de 2,6% e 0,1% em 2016 e 2017, respetivamente, a economia angolana deve ter aprofundado a queda no ano passado.
Comentários