PremiumEAD espera crescimento de 30% nas regiões autónomas e prevê investir 350 mil euros

Empresa tem planos para adquirir instalações próprias na Madeira, enquanto nos Açores foram comprados equipamentos como uma máquina de destruir papéis, dando resposta a normas internacionais.

A EAD já possui presença física na Madeira e nos Açores, e a empresa de gestão documental, que tem como CEO Paulo Veiga, traça objetivos de crescimento de 30% nas duas regiões autónomas, tendo previstos investimentos de 350 mil euros que se destinam à aquisição de equipamentos e de instalações próprias. O gestor sublinha, em declarações ao Económico Madeira, que as ilhas, pela sua “dinâmica própria”, possibilitam a testagem de novos serviços e produtos.

Para a Madeira, explica Paulo Veiga, está alocada uma verba de 300 mil euros para aquisição de instalações próprias, na sequência dos investimentos feitos nos últimos anos, essencialmente em equipamentos de digitalização.

“Gostamos de ser donos dos nossos imóveis, pois permite a realização de investimentos de adaptação mais facilmente. Na Madeira é o único local onde estamos em instalações arrendadas no Caniço e desejamos investir em instalações próprias, mas a oferta é reduzida e ainda não encontrámos o local adequado para a instalação”, explica.
Para os Açores o investimento chegou aos 50 mil euros, para o desenvolvimento de dois serviços. Um deles foi a aquisição de uma máquina de destruir papéis, que foi “uma necessidade identificada” nessa região autónoma.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Premium“Não é aceitável que Algarve e Alentejo recebam 5,9% do investimento previsto para a ferrovia”

Para a coordenadora do Movimento Mais Ferrovia, Cristina Grilo, “os transportes são um dos principais problemas do Algarve”.

PremiumBiden vale-se de Aukus para emendar a mão após desastre de Cabul

Aliança entre Estados Unidos, Reino Unido e Austrália é o tema internacional que o presidente norte-americano encontrou para fazer esquecer as críticas por causa da saída do Afeganistão. Mas não é certo que a frente militar criada para tentar travar a China seja um caminho seguro.

PremiumPaulo Cunha: “A Medway investe 63 milhões porque acredita em Famalicão”

O presidente da Câmara de Famalicão que decidiu não se candidatar a um novo mandato, regozija-se por ter batido a concorrência no projeto do maior terminal ferroviário de mercadorias da Península Ibérica.
Comentários