Economia deverá desacelerar para 1,8% em 2019, estima BBVA

Investimento e consumo privado continuarão a contribuir positivamente o crescimento da economia, ainda que a um ritmo mais lento em 2019.

O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deverá desacelerar para 1,8% em 2019, impulsionado pela procura interna e pelo setor externo, estima uma nota de research do BBVA Research, publicada esta segunda-feira.

De acordo com a análise assinada por Angie Suárez, o investimento e o consumo privado continuarão a contribuir positivamente para o crescimento da economia, ainda que a um ritmo mais lento. Paralelamente, a política acomodatícia e os preços mais baixos do petróleo deverão favorecer o cenário de crescimento.

Relativamente ao quarto trimestre de 2018, o crescimento económico português deverá ter crescido em cadeia 0,4%, impulsionado pela procura interna, estando moderado até 0,3% no terceiro trimestre de 2018, que compara com os 0,6% observados no segundo trimestre.

“Este avanço produziu-se sobretudo devido ao aumento da formação bruta de capital e do crescimento do consumo final nacional, apesar da forte contração da procura externa”, explica a nota. “Esta expansão traduziu-se num aumento do emprego que foi, no entanto, inferior ao do trimestre anterior”.

A nota de research salienta que a economia portuguesa é apoiada na procura interna, com um contributo de de 1,1 pontos percentuais para o crescimento do terceiro trimestre de 2018,  enquanto o contributo da procura externa líquida passou de nulo a negativo, nos -0.8 pp.

“Em particular, destacou-se positivamente o avanço do investimento de 3,5% em cadeira (4,4% em termos homólogos), sobretudo pelo aumento da despesa em material de transporte e em existências”, explica.

Por outro lado, apesar das vendas a retalho terem aumentado em outubro 2,7% face ao período homólogo e em novembro (+1,6%), “a confiança dos consumidores continuou sem recuperar o otimismo do início do ano e continuou em terreno negativo”.

Ler mais

Relacionadas

Abrandamento da economia deve fazer decisores políticos pensar, alerta Mário Centeno

“Esses riscos são de natureza política e, portanto, está nas mãos de quem tem o poder de tomar decisões políticas de tornar claro o caminho para as nossas economias, para as nossas sociedades e, portanto, devemos todos estar atentos a essa situação e ter uma resposta rápida para ela”, sublinhou o ministro português das Finanças.

Previsão de crescimento do PIB de 2,2% continua a ser “realista”, estima Governo

No dia em que o FMI baixou as suas estimativas para a economia mundial, prevendo que cresça 3,5% em 2019, menos 0,2 pontos percentuais face às previsões anteriores, Ricardo Mourinho Félix considerou que a projeção de crescimento do PIB português, inscrita no Orçamento do Estado para 2019, continua a ser realista.

FMI revê em baixa crescimento da economia mundial para 3,5% em 2019

A instituição liderada por Christine Lagarde prevê que a economia global cresça 3,5% este ano, menos 0,2 pontos percentuais do que a previsão de outubro. A estimativa de 2018 manteve-se nos 3,7%.
Recomendadas

Presidente da República exige maior controlo da legalidade na contratação pública

“É naturalmente compreensível – e até desejável – a necessidade de simplificação e de aperfeiçoamento de procedimentos em matéria de contratação pública que possam, com rigor, implicar a melhoria das condições de vida dos portugueses e permitir flexibilizar a atribuição e a alocação dos referidos fundos”, salientou Marcelo Rebelo de Sousa.

Presidente da República veta diploma que altera regras de contratação pública

Este veto do chefe de Estado foi divulgado no portal da Presidência da República.

Natal e passagem de ano: estas são as 14 regras que vão vigorar

Restaurantes abertos até à uma da manhã nas noites de natal e de passagem de ano, e natal sem interdição de circulação entre concelhos são algumas da medidas que vão vigorar durante a época festiva. Governo avalia medidas a 18 de dezembro à luz da evolução da pandemia da Covid-19.
Comentários