Economia digital: faturação das PME portuguesas atingiu os 97 milhões de euros

Segundo um estudo da PayPal, a internet permite que as pequenas e médias empresas acedam a “mais de 4,1 mil milhões de clientes de todo o mundo”. Ficou comprovado que a faturação das pequenas empresas portuguesas, sustentadas na economia digital, aumentou mais de 19% entre 2016 e 2017, para mais de 97 milhões de euros.

Um estudo elaborado pela PayPal demonstrou que uma pequena empresa pode competir à escala global, independentemente da sua localização. Graças à economia digital, que está a democratizar o comércio internacional, e aos pagamentos digitais, as pequenas empresas conseguem ter acesso a mais oportunidades de exportação, aumentando assim a faturação.

Segundo o estudo, a internet permite que as pequenas e médias empresas (PME) acedam a “mais de 4,1 mil milhões de clientes de todo o mundo”, escreveu a PayPal no comunicado enviado às redações, esta quinta-feira. “As PME internacionalmente ativas dentro da União Europeia (UE) crescem duas vezes mais rápido do que aquelas que vendam apenas para o mercado doméstico”.

A PayPal analisou mais de 157 mil pequenas empresas, com sede nos 28 países que integram a UE, e que utilizam a tecnologia de pagamentos digitais da empresa norte-americana. No estudo ficou comprovado que a faturação das pequenas empresas portuguesas, sustentadas na economia digital, aumentou mais de 19% entre 2016 e 2017, para mais de 97 milhões de euros.

Este crescimento das receitas verificou-se tanto nas pequenas empresas portuguesas localizadas nas grandes cidades (21,8%), como nas cidades de menor dimensão (6,4%), uma tendência que também se verifica no resto da UE.

“A digitalização está a democratizar o comércio, mudando o cálculo de quem se pode envolver por completo nos seus negócios”, refere o documento. “A digitalização, e as FinTech em específico, deram uma nova vida a este setor, criando oportuniades para que as empresas possam alacançar novos clientes e alavancar ferramentas tecnológicas de promoção aos seus negócios”.

Os impactos da economia digital nas pequenas empresas adquirem mais importância se se tiver em conta que “os resultados provenientes do [estudo] mostram ainda que as pequenas e médias empresas (PME) na UE representam 99% do setor de negócios e empregam dois terços da classe trabalhadora”, lê-se na nota. “Nos últimos cinco anos, as PME criaram cerca de 85% dos novos empregos”.

O diretor-geral do PayPal em Portugal e Espanha, Raimundo Sala, disse que a empresa está a apoiar as PME portuguesas “desde o início” e que “graças à introdução de novas ferramentas e recursos, gerimos neste momento mais de 20 milhões de empresas em todo o mundo”.

A PayPal referiu ainda que se tornou numa catapulta para os comerciantes que utilizam as soluções tecnológicas para a atividade de exportação, tanto para fora da UE (41,4%) como para outros países do bloco regional (58%). “Em sentido contrário, apenas 28% das tradicionals PME exportadoras [que não utilizam o PayPal] venderam para um país fora do mercado interno europeu”, revelou a PayPal.

Ler mais
Relacionadas

SIBS lança API Market e inicia-se um “novo ciclo financeiro em Portugal”

Madalena Cascais Tomé, CEO da SIBS, apresentou o SIBS API Market, uma plataforma de open banking que vai permitir o desenvolvimento de serviços de pagamentos entre os vários agentes de mercado. A empresa divulgou ainda a nova imagem institucional.

“Economia digital é uma tremenda oportunidade para Portugal”, afirma Governo

“Portugal não pode ficar atrás. O Governo está a acompanhar e antecipa cenários e soluções”, afirmou esta sexta-feira o secretário de Estado da Defesa do Consumidor, João Torres.

Digital vale quase 5% do PIB mas Portugal ainda está atrás da Europa

Pelas contas da BCG, caso o país “se conseguisse posicionar com um hub digital para a Europa” teria um ganho potencial de 20 mil milhões de euros no PIB até 2025
Recomendadas

Carlyle avalia venda de posição na portuguesa Logoplaste

De acordo com a agência, o grupo já contactou o Barclays Plc e o Goldman Sachs para se aconselhar sobre o negócio.

Novo Banco: GamaLife, antiga GNB Vida, recusa “qualquer relação” com Lindberg

Previamente conhecida como GNB Vida, a GamaLife garante não ter qualquer relação com Lindberg e adianta ainda que “o envolvimento da Apax Partners na aquisição da GamaLife só começou após os problemas amplamente divulgados do Sr. Lindberg, quando já era bastante evidente que ele não seria capaz de completar esta transação“.

Toshiba retira-se oficialmente do negócio dos portáteis

A Toshiba já tinha vendido 80,1% do seu negócio de PCs à Sharp, ficando com uma participação na nova marca criada, a Dynabook, mas agora entregou o resto das ações da empresa.
Comentários