Economia digital vale pelo menos 5% do PIB mundial

A primeira edição do “Digital Economy Report”, elaborado pelas Nações Unidas, alerta para a diferença entre os países “subconectados” e os “hiperdigitalizados”. Juntas, África e a América Latina representam menos de 5% da colocação mundial de centros de dados.

Imagine que tem de percorrer um longo caminho e se vê obrigado a definir vários locais de paragem nesse percurso. Olhou para o GPS, estabeleceu as metas, seguiu viagem e, à medida que andava, as estradas começavam a mudar de posição a uma velocidade alucinante. É o que está a acontecer com a digitalização – aquilo a que as Nações Unidas chamam “alvo em movimento” e que está a complicar o trabalho dos legisladores, que procuram implementar políticas sólidas relacionadas com a economia digital.

A primeira edição do “Digital Economy Report”, elaborado pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD, na sigla inglesa), demonstrou que ainda pairam dúvidas sobre o impacto económico das novas tecnologias, inclusivamente no próprio conceito de “economia digital”. Logo, consoante aquilo que abrangera definição, as estimativas apontam para que represente entre 4,5% a 15,5% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial.

No entanto, os especialistas da UNCTAD alertam para o fosso entre os países “subconectados” e os “hiperdigitalizados”, quer no simples uso da internet como nos recursos e infraestruturas de aproveitamento de dados. O ‘gap’ é notório quando no mesmo mês em que Cabo Verde aplaude a chegada do 4G à ilha do Sal a Coreia do Sul contava com meio milhão de adesões à rede móvel de quinta geração (5G). Mais: a África e a América Latina juntas representam menos de 5% da colocação mundial de centros de dados.

Anteriormente conhecido como “Information Economy Report”, o renovado relatório olha para as possibilidades de criação e captura de valor na economia digital pelos países em desenvolvimento, focando-se nas oportunidades que estes estados podem ter enquanto produtores e inovadores, bem como nas restrições que enfrentam no que diz respeito aos dados e às plataformas online. “Se não forem tidas em conta estas divisões exacerbarão as desigualdades de rendimento existentes”, avisa a instituição sediada na Suíça.

No prefácio, António Guterres sugere que governos, sociedade civil, academia, comunidade científica e indústria tecnológica trabalhem em conjunto juntos para encontrar soluções para os problemas associados à cibersegurança, à pirataria e à privacidade. O secretário-geral da Organização das Nações Unidas lembra ainda que as novas tecnologias, especialmente a inteligência artificial, levarão “inevitavelmente” a uma mudança de grande escala no mercado laboral, com o desaparecimento de empregos e a criação de outros.

“A economia digital exigirá uma nova variedade de capacidades novas e diferentes, uma nova geração de políticas de proteção social e uma nova relação entre trabalho e lazer. Precisamos de um grande investimento em educação, enraizado não apenas na aprendizagem, mas em aprender como é que se aprende, e em dar acesso a oportunidades de aprendizagem para todos ao longo da vida”, refere António Guterres.

Uma das conclusões apresentadas é que a geografia da economia digital não tem uma divisão tradicional norte-sul e que quem são os ‘donos disto tudo’ são os mesmos países que se veem envolvidos numa guerra comercial: Estados Unidos da América e China. As duas maiores potências do mundo detêm 75% de todas as patentes relacionadas com blockchain, 50% dos gastos globais em Internet of Things (IoT) e mais de 75% do mercado mundial de cloud computing (computação na nuvem), segundo a UNCTAD. Só as norte-americanas e chinesas Microsoft, a Apple, a Amazon, a Google, o Facebook, a Tencent e a Alibaba representam dois terços do valor total de mercado das plataformas digitais.

Principais aquisições das seis maiores empresas (2010–2018)

CompradorEmpresaValor (milhões de dólares)Ano
Alphabet111 Eighth Avenue1,9002010
MicrosoftSkype Global Sarl8,5052011
AlphabetMotorola Mobility
Holdings
12,4502012
MicrosoftYammer1,2002012
FacebookInstagram1,0002012
FacebookWhatsApp19,4682014
MicrosoftNokia Oyj-Devices &
Services Business
4,9912014
AlphabetNest Labs3,2002014
AppleBeats Electronics LLC3,0002014
MicrosoftMojang AB2,5002014
FacebookOculus VR2,1812014
AlibabaAutoNavi Holdings1,0812014
MicrosoftLinkedIn26,6392016
AlibabaSuning Commerce
Group
4,5472016
AlibabaYouku Tudou4,3922016
AlibabaLazada South East Asia
Pte
1,0002016
AmazonWhole Foods Market13,5612017
AlibabaPT Tokopedia1,0962017
AlphabetLyft1,0002017
AmazonSouq.com5802017
MicrosoftGitHub7,5002018
AlphabetJamestown LP-Chelsea
Market (Nova Iorque)
2,4002018
AlibabaSun Art Retail Group2,0652018
AlibabaFocus Media Information
Technology
1,1462018

Fonte: UNCTAD

“Estes são os primeiros dias da era digital e ainda há mais perguntas do que respostas sobre como lidar com o desafio. Dada a ausência de estatísticas relevantes e evidências empíricas e o ritmo acelerado das mudanças tecnológicas, os decisores enfrentam um alvo em movimento ao tentar adotar políticas sólidas relacionadas com a economia digital” – Nações Unidas

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha sem direção definida

A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China continua a fazer estragos nos mercados mobiliários. O dia foi pautado por notícias contraditórias sobre a matéria.

Gás natural garante qualidade do ar, sustentam estudos espanhóis

Para a preparação do relatório geral, que engloba os 30 estudos diferentes, foram utilizadas metodologias que comprovaram as medições relativamente às emissões atmosféricas de diferentes tipos de veículos

António Costa reconhece negociações difíceis para novo Quadro Comunitário de Apoio

O primeiro-ministro alerta que está em curso na União Europeia a criação de um instrumento de orçamento para a convergência e competitividade que deverá ter um bolo de cerca de 22 mil milhões de euros, a que Portugal tem condições especiais para se candidatar.
Comentários