Economia do Reino Unido contrai 5,8% em março devido ao coronavírus

No primeiro trimestre do ano, o PIB britânico contraiu 2% face aos últimos três meses de 2019, segundo os dados do Instituto de Estatísticas britânico. Esta foi a maior queda entre dois trimestres desde 2008, quando a crise financeira de 2008 começou a estreitar as economias mundiais.

Aeroporto de Heathrow, Londres | Richard Heathcote/Getty Images

A economia britânica contraiu um total de 5,8% no mês de março, em comparação com o mês anterior, devido à escalada da crise do novo coronavírus e à ordem para encerrar o país à medida que a propagação acelerava, avança a ‘Reuters’ tendo em conta os dados divulgados pelo governo.

No primeiro trimestre do ano, o PIB britânico contraiu 2% face aos últimos três meses de 2019, segundo os dados do Instituto de Estatísticas britânico. Esta foi a maior queda entre dois trimestres desde 2008, quando a crise financeira de 2008 começou a estreitar as economias mundiais.

Ainda assim, a quebra do PIB do primeiro trimestre deste ano foi menor do que o decréscimo de 2,5% estimado pelos economistas consultados pela ‘Reuters’. Comparativamente com o mesmo trimestre do ano passado, o PIB caiu 1,6% em 2020, a maior queda homóloga desde o quarto trimestre de 2009, segundo a agência estatística do Reino Unido.

O PIB da zona euro caiu 3,8% durante o primeiro trimestre de 2020, sendo que a economia britânica apresentou uma quebra menor, embora muitos países da moeda única tenham encerrado os países antes do Reino Unido, que foi dos últimos na Europa.

De acordo com as estimativas dos economistas consultados pela ‘Reuters’, é provável que a economia contraia mais em abril devido ao encerramento total do país durante esse mês. “A velocidade e a escala a que o coronavírus atingiu a economia britânica não tem precedentes e significa que a quebra do primeiro trimestre deve ser seguida por uma contração adicional, historicamente mais significante, na atividade económica do segundo trimestre”, assumiu o responsável de economia das Câmaras do Comércio Britânicas.

Os três principais componentes económicos, serviço, produção e construção, foram afetados pela pandemia global, com milhares de fábricas, lojas, restaurantes e hotéis encerrados por ordem governamental. O setor do serviço caiu 6%, enquanto a produção apresentou uma quebra de 4,2% e a construção caiu 5,9%.

De acordo com os dados do Banco de Inglaterra, publicados na semana passada, o PIB pode cair mais de 14%, verificando a maior quebra anual em 300 anos, podendo ser seguida por um crescimento de 15% em 2021.

Ler mais

Relacionadas

Covid-19: Banco de Inglaterra prevê uma queda de 14% do PIB britânico

O Banco da Inglaterra publicou igualmente um relatório sobre estabilidade financeira, no qual considera que o sistema financeiro britânico possui capital “mais do que suficiente” para absorver as perdas causadas pela pandemia de covid-19.

Banco de Inglaterra deverá seguir pares e carregar no botão de pausa

Depois da Reserva Federal e do Banco Central Europeu, o Banco de Inglaterra deverá também parar para avaliar o impacto dos estímulos monetários que lançou para enfrentar os riscos negativos para a economia devido à pandemia da Covid-19. O foco da reunião de hoje vai estar, portanto, nas projeções sobre a recessão e a recuperação.

Bancos britânicos congelam dividendos de nove mil milhões de euros

Banco de Inglaterra disse esperar que os bancos veria com bons olhos a não distribuição de dividendos e pediu que não fossem pagos bónus aos altos executivos. O supervisor britânico alertou ainda que estaria pronto para usar os poderes de supervisão se os bancos não acatassem estas duas recomendações.

“Os governos devem pagar às empresas toda a receita perdida”, defende antigo governador do Banco de Inglaterra

Mervyn King, governador do Banco de Inglaterra de 2003 a 2013 e responsável pelo resgate dos bancos britânicos da crise financeira de 2008, quer uma resposta radical à pandemia.
Recomendadas

Abertos concursos para escolas contratarem 800 novos técnicos especializados

As escolas vão poder contratar mais de 800 novos técnicos especializados no âmbito do plano de desenvolvimento pessoal, social e comunitário, lançado recentemente, e tendo como finalidade o próximo ano letivo”, lê-se num comunicado hoje divulgado pelo Ministério da Educação.

Portugal com 213 casos de infeção e três mortes por Covid-19

Região de Lisboa e Vale do Tejo regista o número mais elevado de infeções ao dia de hoje, tendo confirmado mais 1447 casos em relação aos dados da véspera. O número de casos recuperados em Portugal aumentou para 37.840.

Durão Barroso considera que Fundo de Recuperação acordado em Bruxelas é “uma orgia financeira”

O antigo presidente da Comissão Europeia Durão Barroso defende que a Portugal terá de fazer uma boa gestão dos fundos comunitários e que a Assembleia da República deve reforçar o seu papel de fiscalização sobre a sua aplicação.
Comentários