Economia dos principais parceiros de Portugal deve abrandar em 2019

Banco Mundial reviu em baixa as estimativas para o crescimento económico da zona euro e do Brasil. Economia angolana mostra sinais de vitalidade.

O abrandamento da economia mundial tem sido antecipado por diversas instituições internacionais e deverá afetar os países com que a economia nacional está mais ligada, com reflexo na procura externa.

O Banco Mundial prevê que a economia da zona euro, o principal destino das exportações portuguesas, cresça 1,6% este ano, menos um ponto percentual (p.p.) do que nas projeções de junho.

No relatório semestral “Perspetivas Económicas Globais”, publicado nesta terça-feira, a instituição de desenvolvimento global revê em menos dois p.p as estimativas avançadas em junho para 2018 e prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) na zona euro tenha crescido 1,9%. Para o próximo ano projeta um crescimento de 1,5% e para 2021 de 1,13%.

A instituição sediada em Washington explica que em 2018 se registou um abrandamento das exportações, refletindo a apreciação do euro e um abrandamento da procura externa, enquanto a inflação “permanece alta”.

“A inflação permanece cerca de 1%, enquanto as expectativas de inflação a longo prazo continuam a flutuar à volta de 1,6%, tal como nos últimos três anos”, refere o relatório, salientando que o Banco Central Europeu deverá manter a política de taxas de juro negativas pelo menos até meio de maio deste ano.

Para o Brasil, que integra o ranking dos dez principais mercados das exportações portuguesas, o Banco Mundial prevê uma expansão da economia para 2,2% este ano, passando para 2,4% em 2020 e 2021. Justifica, no entanto, que o cenário pressupõe “que as reformas fiscais sejam rapidamente implementadas e que a recuperação do consumo e investimento supere os cortes nas despesas públicas” e explica que a recuperação do segundo semestre permitiu ao Brasil acelerar levemente o crescimento em 2018, a uma taxa estimada de 1,2%.

Já para a economia angolana, o Banco Mundial reviu em alta as estimativas anteriores, para 2,9% este ano, face aos 2,2% previstos no relatório de junho. Deverá expandir para 2,6% em 2020 e 2,8% em 2021.

A nível global, o Banco Mundial reviu em baixa ligeira as previsões de crescimento da economia para 2,9% este ano, menos um p.p. do que na projeção de junho, consequência da moderação do comércio mundial e dos investimentos, das tensões comerciais e de uma diminuição das condições de financiamento como fatores de pressão para a economia mundial. Para 2020, a instituição de desenvolvimento mundial projeta um crescimento de 2,8%, que compara com a anterior previsão de 2,9%, tal como para 2021.

No Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), o Governo prevê uma expansão da economia para 2,2% em 2019, projetando um aumento das exportações de 4,6%. No entanto, quer o Fundo Monetário Internacional quer Bruxelas mostram-se mais pessimistas sobre o ritmo de crescimento da economia. A instituição de Bretton Woods antecipa uma expansão de 1,9%, enquanto as estimativas da CE no ‘Autumn 2018 Economic Forecast’ apontam para 1,8% em 2019, abaixo dos 2% das previsões de verão.

Ler mais
Relacionadas

Banco Mundial prevê crescimento da economia global para 2,9% este ano

Comércio internacional e investimentos mais moderados, aumento das tensões comerciais e condições de financiamento mais baixas contribuem para abrandamento da economia global, segundo o Banco Mundial.
Recomendadas

easyJet estabelece acordo de ‘code share’ com Cathay Pacific

Com o acordo hoje, dia 21 de janeiro, anunciado, a partir das próximas semanas, os clientes da easyJet poderão voar para Hong Kong a partir do aeroporto de Gatwick (Londres).

Governo já sabia de irregularidades na CGD? Se sim, “é grave”, aponta Rui Rio

“Eu não quero acreditar que, no quadro de todos aqueles valores que ali estão, possa ter sido tudo concedido, todo aquele crédito possa ter sido concedido de uma forma clara e limpa, que não mereça uma investigação”, disse Rui Rio aos jornalistas, na sede nacional do partido, em Lisboa.

Custa 336 euros e garante alimentação para um mês. Esta é a ‘Brexit box’

Concebido e comercializado pela empresa Emergency Food Storage, o pacote inclui 60 receitas que podem ser consumidas nos próximos 25 anos
Comentários