Economia espanhola já mostra sinais de recuperação, assegura Governo de Sanchéz

A ministra das Finanças espanhola assegura que, apesar da pandemia, a economia espanhola já começa a mostrar sinais de recuperação. Banco de Espanha avisa que o PIB pode retroceder até 21,8% no segundo trimestre, uma quebra sem precedentes desde a guerra civil de 1936-1939.

O principal parceiro económico de Portugal é o país da União Europeia que mais está a sofrer os efeitos da pandemia de coronavírus na sua economia.

O produto interno bruto (PIB) do país pode retroceder até 21,8% no segundo trimestre deste ano, uma quebra sem precedentes desde a guerra civil de 1936-1939, segundo uma estimativa do Banco de Espanha.

Apesar desta previsão, a ministra das Finanças espanhola afirmou, esta quinta-feira, que a economia do país já começa a mostrar os “primeiros sinais de recuperação” dos efeitos da pandemia, embora algumas “regiões e indústrias continuem a sentir alguma pressão”.

Em entrevista ao canal “Antena 3”, Nadia Calviño afirmou que “75% dos trabalhadores em lay-off simplificado (ERTE) já regressaram ao trabalho”, acrescentando que o governo espanhol terá que analisar “se o ERTE se manterá também durante o mês de setembro para os principais setores afetados”, cita a “CNN” as declarações da responsável.

Tal como em Portugal, no país vizinho a pandemia obrigou ao confinamento da população e da economia o que levou ao recurso ao lay-off, designado por ERTE: “Expediente de Regulación Temporal de Empleo”.

Este regime permite às empresas suspender os contratos de trabalho ou reduzir o tempo de laboração por causas de força maior, económicas, técnicas, organizativas ou de produção.

“Estamos a trabalhar na abordagem que teremos nos próximos meses e veremos isso com os agentes sociais”, assegurou ao canal espanhol a ministra que argumentou ser necessário “evitar danos estruturais à nossa economia”. Nadia Calviño acrescentou ainda que “este ano teremos de emitir 100 mil milhões de euros a mais em dívida do que havíamos previsto”.

Apesar deste otimismo, o Ministério da Saúde contabilizou, esta quarta-feira, mais 7.296 novos casos de Covid-19, tendo 3.594 deles sido diagnosticados nas últimas 24 horas, um aumento que vem a confirmar a teoria dos especialistas que o país enfrenta a segunda vaga do vírus, o que poderá obrigar ao governo a retomar o estado de emergência e confinar novamente o país.

Os dados chegam numa altura em que Pedro Sánchez anunciou novas medidas para combater a pandemia, nomeadamente, oferecer apoio às regiões que decidirem decretar o estado de emergência para conter a pandemia e  mobilizar cerca de de dois mil militares para as auxiliar no rastreio de contágios.

Ler mais

Recomendadas

IGCP volta hoje ao mercado com dois leilões entre 1.000 e 1.250 milhões de euros

A entidade já tem previsto mais dois leilões, um no dia 19 de maio, para entre 1.500 milhões de euros e 1.750 milhões de euros e outro no dia 16 de junho, com um montante previsto entre 1.000 milhões de euros e 1.250 milhões de euros, de acordo com informação no ‘site’ do IGCP.

Portugal corre o maior risco na UE de uma crise prolongada, afirma o banco ING

A elevada exposição ao turismo e outros sectores vulneráveis, o que significa uma percentagem considerável da economia sem a possibilidade de teletrabalho, bem como fragilidades macro e falta de literacia digital colocam o país em risco de uma crise profunda que, juntamente com o resto do Sul da Europa, pode resultar num agravamento do fosso em relação ao Norte mais desenvolvido.

Venda de combustível nos postos de abastecimento cai mais em fevereiro

Daí que a procura e consumo de produtos petrolíferos devam aumentar, sobretudo a partir do segundo semestre deste ano, devendo apesar de tudo “começar a ser sentido de forma mais clara a partir dos meses de abril e maio deste ano”.
Comentários