Economia “não apresenta sinais mais negativos” do que no primeiro trimestre, diz ISEG

Na “Síntese Económica de Conjuntura”, os economistas do ISEG referem que a informação sobre a economia nacional no segundo trimestre “ainda é bastante escassa”, mas que não apresenta sinais mais negativos do que nos primeiros três meses do ano.

A informação ainda é escassa, mas os primeiros dados apontam que a economia nacional poderá manter no segundo trimestre a tendência dos primeiros três meses do ano, antecipam os analistas do Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa (ISEG), “Síntese de Conjuntura”, divulgada esta sexta-feira.

“Relativamente ao segundo trimestre a informação ainda é bastante escassa, mas não apresenta sinais mais negativos do que os observados no trimestre anterior”, referem os economistas da instituição.

O PIB nacional cresceu 1,8% em volume em termos homólogos e 0,5% face ao trimestre anterior no primeiro trimestre, impulsionado por um aumento do investimento. No entanto, o crescimento das exportações desacelerou.

Os economistas do ISEG referem ainda que “no domínio qualitativo, registou-se em abril uma certa estabilidade dos indicadores de clima e sentimento económico”, mas destacam que “a informação mais relevante teve a ver com o indicador de confiança dos consumidores que aumentou depois de vários meses a decrescer”.

“No domínio quantitativo, o consumo de cimento cresceu de forma relevante (assim como melhorou o indicador de confiança na construção), e o comércio automóvel de ligeiros de passageiros decresceu menos do que nos meses anteriores”, acrescentam.

No entanto, explicam que “vão ser necessários mais dados para definir o trimestre”, nomeadamente os dados relativos às exportações e importações de bens e serviços, “cujo saldo mais negativo no primeiro trimestre penalizou o crescimento”.

Ler mais

Recomendadas

OE2021: “Tempos de implementação” do ‘IVAucher’ serão objeto de avaliação específica

O ‘IVAucher’ é uma das soluções desenhada pelo Governo para estimular o consumo em três dos setores com quebras significativas na atividade em consequência da pandemia de covid-19, prevendo-se que a totalidade do IVA pago pelos consumidores nas despesas em hotéis, restaurantes e atividades culturais realizadas num trimestre, seja abatido em consumos realizados nos mesmos setores no trimestre seguinte.

FMI: “Medidas de apoio são essenciais para garantir o crescimento a médio prazo” na Europa

Diretor do Departamento Europeu do FMI defendeu que os países europeus “têm de fazer o que for preciso para conter a pandemia”, mas também que os países devem ter planos para o médio prazo. Recordou a importância de políticas no apoio à liquidez das empresas, bem como de assegurar que as empresas insolventes, mas viáveis, podem continuar ativas.

Futuro da água, advocacia de negócios, vinhos de Portugal e muito mais: conheça os Especiais do JE em novembro

Os cadernos Especiais e os Suplementos do Jornal Económico são produtos multiplataforma – em papel, online e vídeo – que combinam jornalismo de qualidade com potencial comercial e chegam a uma audiência superior a um milhão de leitores e telespectadores, que compram a edição em papel ou visitam o nosso site todos os meses.
Comentários