Economia portuguesa cresce 1,8% no segundo trimestre

O PIB nacional aumentou 0,5% comparativamente ao primeiro trimestre e 1,8% em termos homólogos. O contributo da procura interna para a variação homóloga do PIB diminuiu, perante uma desaceleração das despesas de consumo final, bem como do investimento, segundo o INE.

José Sena Goulão/Lusa

A economia portuguesa cresceu 1,8% no segundo trimestre de 2019 e aumentou 0,5% comparativamente aos primeiros três meses deste ano, revelou esta quarta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Segundo a estimativa rápida do INE para as últimas Contas Nacionais Trimestrais, o contributo da procura interna para a variação homóloga do Produto Interno Bruto (PIB) nacional diminuiu, perante uma desaceleração das despesas de consumo final, bem como do investimento.

“Em sentido contrário, o contributo da procura externa líquida foi menos negativo que o observado no trimestre anterior, em resultado da maior desaceleração das Importações de bens e serviços que a observada nas exportações de bens e serviços”, pode ler-se no relatório divulgado esta manhã pelo INE.

O organismo de estatística português clarifica que o contributo da procura interna para a variação em cadeia do PIB foi negativo, depois de ter sido positivo entre janeiro e março. “Por sua vez, o contributo da procura externa líquida foi positivo, depois de ter sido negativo no trimestre precedente”, aponta o mesmo documento.

O valor previsto hoje pelo INE vai ao encontro do que esperavam os especialistas do Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa (ISEG), que antecipavam que o PIB se mantivesse ao nível do registado no primeiro trimestre (1,8%).

“Os primeiros dados quantitativos relativos ao segundo trimestre sugerem um crescimento estável do consumo privado, um menor crescimento do investimento e um contributo negativo da procura externa líquida”, argumentaram esses analistasnuma nota divulgada no final de junho.

Na síntese de conjuntura de junho, o ISEG manteve a sua previsão para o crescimento da economia portuguesa para este ano (1,6% a 2%)

A previsão do Governo é de que o PIB cresça 1,9% este ano.

Notícia atualizada às 9h55

Ler mais

Recomendadas

Direito de Resposta: “Inspetor Geral de Finanças não é arguido, mas antes promotor e principal interessado em investigação em curso”

IGF garante que foram o Conselho de Inspeção e o Inspetor-Geral da IGF que participaram os indícios de crimes praticados por trabalhadores e em relação aos quais esses trabalhadores foram constituídos arguidos. “Em retaliação, um desses trabalhadores apresentou queixa contra a sua superior hierárquica e contra o Inspetor-Geral no âmbito da auditoria à Cruz Vermelha Portuguesa, os quais imediatamente se disponibilizaram para a realização de todas as investigações judiciais necessárias à salvaguarda do seu bom nome e das instituições públicas visadas e à efetiva condenação do trabalhador, autor de atos ilícitos”, refere. “Assim, o Inspetor-Geral de Finanças não é arguido, mas antes promotor, agente ativo e principal interessado na referida investigação”, conclui.

Governo já pediu a Bruxelas que IVA da luz possa variar em função do consumo

Executivo já iniciou processo para ter autorização da Comissão Europeia para criar escalões de consumo para o IVA da eletricidade.

Maria e Francisco foram os nomes mais escolhidos para bebés em Portugal este ano

Francisco foi pela primeira vez o nome mais escolhido para rapazes, Maria mantém a primeira posição entre as raparigas.
Comentários