Economistas esperam crescimento de 1,9% no terceiro trimestre

INE divulga esta quinta-feira a evolução do PIB entre julho e setembro. Previsões dos economistas consultados pelo JE oscilam entre 1,7% e 2,1%, em termos homólogos.

Rafael Marchante/Reuters

O INE divulga esta quinta-feira a estimativa rápida da evolução do PIB entre julho e setembro, depois de a economia ter crescido 1,9% no segundo trimestre. A média dos valores estimados pelos economistas consultados pelo Jornal Económico aponta para a manutenção de um crescimento de 1,9% em termos homólogos, embora seja previsível uma desaceleração no crescimento em cadeia, de 0,6% para 0,3%.

A previsão mais otimista é do Núcleo de Estudos de Conjuntura da Economia Portuguesa (NECEP) da Universidade Católica. Numa nota de análise publicada em outubro, antecipa um crescimento de 2,1% em termos homólogos, mas “sem alteração significativa face aos níveis de crescimento do trimestre anterior”.

As estimativas mais conservadoras pertencem ao BPI, que para o terceiro trimestre antecipa uma desaceleração homóloga para 1,7% sobretudo devido à deterioração da procura externa, em particular a exportações.

Rui Bernardes Serra, economista chefe do Montepio que respondeu ao Jornal Económico a título pessoal, prevê que a economia nacional mantenha o ritmo de expansão de 1,9% em termos homólogos, mas que haja uma desaceleração no ritmo em cadeia.

“A principal causa para o abrandamento da economia prende-se com os efeitos do abrandamento da economia europeia sobre a economia portuguesa, que só a partir do terceiro trimestre se começaram a sentir”, explica.

Segundo o economista, o crescimento em cadeia da economia deverá ter sido apenas suportado pela procura interna, com as exportações líquidas a penalizar o crescimento.

“Em todo o caso, refira-se que o crescimento em cadeia da economia portuguesa terá superado o da zona euro pelo sétimo trimestre consecutivo”, destaca.

Em resposta ao Jornal Económico, fonte oficial do Santander justificou a desaceleração do PIB em cadeia com o abrandamento do consumo privado, “fruto de uma potencial queda do consumo de bens duradouros”. O investimento também poderá ter abrandado, “fruto do aumento da incerteza relacionado com a conjuntura internacional, em especial ao impacto latente de um Brexit sem acordo e guerras comerciais”, explica o banco.

Já as exportações “poderão ter acelerado em termos homólogos, apesar do impacto negativo do encerramento da refinaria de Sines em setembro”, enquanto as importações “deverão ter desacelerado, embora o impacto da aquisição de aviões e do encerramento da refinaria de Sines, possa ter mitigado ou mesmo revertido essa tendência”.

No esboço orçamental para 2020, enviado para Bruxelas, o Governo projecta que o PIB cresça 1,9% este ano.

Ler mais

Recomendadas

Açores em números. Economia regional representa 2% do PIB de Portugal

Uma casa neste arquipélago vale menos 146 euros por metro quadrado do que a média nacional. Só o município de Ponta Delgada tem poder de compra per capita superior à média do país. Estes e outros indicadores estatísticos neste retrato da região autónoma.

Banco central baixa previsão sobre queda da economia brasileira para 5%

As novas estimativas estão em linha com as projeções de agentes do mercado consultados semanalmente pelo Banco Central, que prevê uma retração económica de 5,05% no PIB brasileiro em 2020. O Brasil ainda recupera de uma grave recessão entre os anos de 2015 e 2016, período em que o PIB caiu sete pontos percentuais.

Wall Street aguenta, mas perdeu fôlego ao longo do dia

Os principais índices do outro lado do Atlântico estiveram a subir, mas no final do dia acabaram por ceder. Mesmo assim, dizem os analistas, os investidores continuam a confiar em novos estímulos à economia.
Comentários