PremiumEconomistas lançam manifesto que defende reindustrialização

Mira Amaral, Abel Mateus e Clemente Pedro Nunes dão a cara, na SEDES, por um manifesto que defende a reindustrialização do país para a produção de bens transacionáveis e contra a estratégia do hidrogénio.

A SEDES, uma das mais antigas associações cívicas portuguesas e com extenso histórico na área do debate, nomeadamente de temas da economia, deu voz a um conjunto de personalidades que lançaram um manifesto em que preconizam a urgente alteração estratégica da política económica do país, com vista não só ao combate às metástases da Covid-19, mas, mais estruturalmente, no estabelecimento das bases de uma reforma que lance o desenvolvimento sustentado do país.

Regra de ouro desse manifesto, como disse ao JE o economista Abel Mateus, um dos envolvidos no manifesto: “a industrialização para a produção de bens transacionáveis” como forma de “lançar o investimento na economia, estimular as empresas” e criar o ambiente propício “à investigação e desenvolvimento” e ao regresso “do investimento estrangeiro”.
Ou, como diria o ex-ministro da Indústria Luís Mira Amaral, outro dos participantes, “é preciso multiplicar o exemplo da AutoEuropa, uma empresa integradora, que exporta, desenvolve a cadeia de fornecimento, que por sua vez se torna também exportadora”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Covid-19. Turismo de Portugal vai comparticipar descontos na restauração e alojamento

O Governo vai lançar um esquema de comparticipação pública aos operadores dos setores da restauração, alojamento, transportes e cultura, que ofereçam descontos aos clientes, disse hoje o ministro de Estado, da Economia e Transição Digital, Pedro Siza Vieira.

Número de passageiros transportados pela TAP diminuiu 62% no primeiro semestre

“A TAP atuou com agilidade e rapidez aos primeiros sinais de impacto da pandemia, adequando a capacidade ao novo cenário de procura e minimizando assim os custos operacionais com o objetivo de preservação de caixa”, comentou a companhia, no documento em que demonstrou um prejuízo de 582 milhões de euros no primeiro semestre.

TAP: Plano de reestruturação será apresentado a Bruxelas até 10 de dezembro

O plano visa “assegurar a sustentabilidade e rentabilidade da TAP, através de um adequado planeamento de rotas e frota, da adaptação do produto TAP à realidade atual e pós Covid-19, e do aumento da eficácia e da eficiência dos serviços centrais e das unidades do Grupo TAP”, refere a companhia, que registou um prejuízo de 582 milhões de euros no primeiro semestre.
Comentários