Reabilitar com eficiência. Como beneficiar na escolha das janelas?

Uma escolha informada, usando uma referência simples como a etiqueta energética, pode significar muitos euros de poupança na fatura de energia no final do mês, especialmente nos meses mais frios do ano.

Escolher as janelas certas

 

Em Portugal existem cerca de 3,5 milhões de edifícios (Censos, 2011), dos quais cerca de 500 mil têm necessidades de reparações médias a muito grandes em elementos tão diversos e fundamentais para o conforto dos ocupantes como as coberturas, a estrutura, as paredes e as caixilharias exteriores.

Uma maior regulamentação e um grande impulso que a reabilitação cnheceu nos últimos cinco anos, contribuíram para uma melhoria deste panorama, no entanto ainda existe uma margem significativa de progressão. É, por isso, imperioso aproveitar as necessidades de reabilitação do edificado para corrigir as suas ineficiências energéticas e vice-versa, porque estas são indissociáveis.

Foi neste contexto que a ADENE – Agência para a Energia, em colaboração com várias associações empresariais e de I&D setoriais, criou a etiquetagem energética de produtos, CLASSE+, um sistema de etiquetagem voluntário, para valorização dos elementos dos edifícios como janelas, isolamentos, tintas, películas de vidro, entre outros.

Este instrumento tem como objetivo promover o desenvolvimento de produtos de maior qualidade e ajudar o consumidor na tomada de decisões aquando da aquisição de produtos que reduzam o consumo energético e melhorem o conforto do seu lar.

Uma escolha informada, usando uma referência simples como a etiqueta energética, pode significar muitos euros de poupança na fatura de energia no final do mês, especialmente nos meses mais frios do ano.

As janelas são a componente na envolvente dos edifícios onde existe maior potencial de intervenção e no qual os proprietários se têm mostrado mais disponíveis para investir, motivo pelo qual foi o primeiro produto com etiqueta CLASSE+.

A substituição de uma janela vulgar, de vidro simples e sem corte térmico, por uma janela com etiqueta CLASSE+ com classificação “A+” permite reduzir em, pelo menos, 55% as perdas de energia associadas a esse elemento. A escolha de janelas mais eficientes é, por isso, determinante em pequenas intervenções, reabilitações ou obras de melhoria em edifícios existentes.

Importa notar que, a par do isolamento de paredes e coberturas, as janelas são um dos elementos que mais influência tem no conforto térmico das habitações. Mais conforto significa também menos doenças e menos gastos com a saúde, fatores com impacto positivo na carteira. Cada família gasta anualmente, em média, 1400€ em despesas de saúde (dados INE) pelo que, se a opção por janelas eficientes com etiqueta CLASSE+ permitir poupar, por exemplo, 10% desse valor, isso pode significar uma poupança de 140€ por ano. Para além da poupança em saúde, acresce a poupança na conta da energia que, com uma habitação bem isolada e com boas janelas, pode ser superior a 250€ por ano.

Assim, uma escolha informada pode fazer toda a diferença: ao pedir propostas ou orçamentos para as suas janelas novas exija a simulação da etiqueta energética CLASSE+ para conhecer a respetiva classe de desempenho energético. No final da obra, peça a etiqueta energética CLASSE+ definitiva de cada janela. Não só vai poupar com a escolha das janelas mais eficientes, como vai dispor de uma etiqueta que lhe permite o acesso a incentivos como o Programa Casa 2020, sempre com maior garantia de qualidade.

Ler mais
Recomendadas

Saiba como fazer crescer o seu dinheiro

Deve começar-se por escolher aplicações financeiras adequadas aos objetivos definidos, não assumindo riscos desconhecidos, e procurando que a rendibilidade da aplicação esteja de acordo com as expectativas.

ComparaJá.pt quer recrutar 40 pessoas até ao final do ano

Plataforma gratuita de comparação bancária e telecomunicações quer reforçar equipa em várias áreas.

Saiba como pôr toda a família a poupar

Mesmo os mais jovens devem entender os conceitos de necessidade e desejo, do essencial e do supérfluo.
Comentários