PremiumEdisoft controla gestão informática dos aeroportos de Xangai

Portugal pode vir a ter 10 unidades dos novos navios com tecnologia da Edisoft para assegurar a vigilância de uma grande extensão do Atlântico

Aos quatro Navios Patrulha Oceânicos (NPO) construídos nos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) – geridos pela sociedade WestSea -, podem vir a ser acrescidos mais seis, o que totalizará dez unidades de novos “patrulhas” destinados a substituir as antigas covetas da Marinha, que já somam 45 anos de atividade. Esta é a convição dos responsáveis da Edisoft, que fabrica a tecnologia incorporada nestes navios e que segue os mais modernos padrões utilizados pelo meio militar.

Até à data, estes esteleiros navais produziram quatro NPO da Classe Viana do Castelo, à cadência de uma unidade por ano – são os NPO com as designações de Sines, Figueira da Foz, Viana do Castelo e Setúbal – e a Lei de Programação Militar pode contemplar um investimento de mais 360 milhões de euros para este fim, o que permitirá construir mais seis NPO. Em consórcio com a sociedade WestSea, a Edisoft fabrica a tecnologia militar que permitirá cumprir as obrigações de patrulhamento da vasta zona oceânica do Atlântico que Portugal terá de assegurar.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Teixeira dos Santos: “Não tenho razões para me arrepender” da escolha de Carlos Santos Ferreira e Armando Vara

O Estado “nunca interferiu em qualquer operação” da Caixa Geral de Depósitos, garantiu ainda o ex-ministro das Finanças, na última comissão parlamentar de inquérito aos atos de gestão e recapitalização do banco público, que se realizou esta quarta-feira.

Apple considera mudar até 30% das operações da China para o Sudeste Asiático

A Índia e o Vietname são as opções cimeiras para a gigante tecnológica. A corretora Wedbush Securities sublinha que levaria pelo menos 2 a 3 anos a transferir 15% da produção de iPhones da China para outras regiões.

TAP concretiza maior operação em Bolsa desde 2012 no valor de 200 milhões de euros

A dona da companhia aérea nacional divulgou esta quarta-feira à tarde os resultados da oferta pública de subscrição das “Obrigações TAP 2019-2023”. O Jornal Económico sabe que a TAP quer captar mais 350 a 400 milhões de euros em futura abertura de capital.
Comentários