EDP. Acionistas aprovam pagamento de dividendo de 753,48 milhões a partir de 26 de abril

Em 2020, a EDP pagou 691 milhões de euros aos seus acionistas, mas vai pagar mais este ano devido ao aumento de capital realizado no ano passado.

A assembleia-geral da EDP aprovou esta quarta-feira, 14 de abril, o pagamento de 753,48 milhões de euros em dividendos relativos ao exercício de 2020.

A proposta foi aprovada por 97,21% dos acionistas presentes na assembleia-geral que teve lugar esta quarta-feira, 14 de abril, apurou o JE, onde esteve presente 74,4% do capital social da empresa.

O pagamento será realizado a partir de 26 de abril. O dividendo tem um valor bruto de 19 cêntimos, com a retenção na fonte a variar entre os 28% e os 25%.

No caso dos “acionistas residentes e tributados em sede de IRS estão sujeitos a uma taxa liberatória de 28%, sem prejuízo da opção de englobamento dos dividendos distribuídos juntamente com o restante rendimento tributável desde que obtidos fora do âmbito do exercício de atividades empresariais e profissionais”, isto é o pagamento líquido será de 13,7 cêntimos por ação.

Em relação aos dividendos pagos aos acionistas residentes e tributados em sede de IRC “estão sujeitos a uma retenção na fonte à taxa de 25%, a qual tem a natureza de imposto por conta do IRC”, ou seja, um valor líquido de 14,3 cêntimos por ação.

Já os acionistas não residentes e sem estabelecimento estável em Portugal, ou que, tendo-o, os dividendos não lhe sejam imputáveis, estão sujeitos a retenção na fonte com carácter definitivo (28% IRS e 25% IRC).

No caso de isenção de tributação, ” de eliminação da retenção na fonte ou de redução da taxa de retenção na fonte de imposto sobre o rendimento (IRS/IRC), os acionistas deverão verificar a caracterização da sua situação fiscal e fazer prova de todos os factos de que dependem a aplicação dos referidos benefícios, junto do intermediário financeiro em que se encontrem registadas as respetivas ações”.

A EDP vai assim distribuir quase 90% dos seus lucros do ano passado, quando registou um resultado positivo de 878 milhões de euros. Tal como nos exercícios anteriores, a EDP vai pagar 19 cêntimos por ação.

“O Conselho de Administração Executivo irá propor à Assembleia Geral de Acionistas, a distribuição de um dividendo relativo ao exercício de 2020 no valor de 0,19 euros por ação, em linha com o ano anterior”, anunciou a empresa a 24 de fevereiro.

Recorde-se que a 14 de maio de 2020, a EDP efetuou um pagamento total de 691 milhões de euros em dividendos aos seus acionistas, “em linha com os últimos anos”.

O dividendo a pagar este ano, relativo ao exercício de 2020, vai ser mais elevado devido ao aumento de capital de mil milhões de euros realizado pela empresa em 2020, porque o dividendo vai ser distribuído por mais 319 milhões de ações novas, num total de quase quatro mil milhões de ações.

Ler mais

Relacionadas

EDP. Conselho de administração pode aumentar capital até 400 milhões

A administração da elétrica vai poder decidir sem consultar a assembleia-geral de acionistas, mas o Conselho Geral e de Supervisão tem de aprovar o aumento de capital por maioria de dois terços.

EDP. Acionista chinês ganha mais poder no Conselho Geral e de Supervisão

A China Three Gorges tem vindo a reduzir a sua participação acionista na EDP, mas a com a redução do número de membros do Conselho Geral e de Supervisão passa a ter quase um terço dos votos neste órgão. O novo CGS deixa de ter ex-ministros, com João Talone a regressar à empresa agora como ‘chairman’.

EDP. Acionistas aprovam salário de Miguel Stilwell que pode atingir os 1,4 milhões por ano

O novo presidente da EDP vai receber por ano 800 mil euros brutos de remuneração fixa, podendo atingir os 1,4 milhões de euros se cumprir várias metas.
Recomendadas

Segundo maior acionista da REN quer vender participação de 12%

O Oman Oil Company SAOC quer vender os seus 12%. A empresa omanita avisa que o processo de venda ainda não foi iniciado e que nenhuma decisão formal foi ainda tomada. Participação vale mais de 190 milhões de euros.

Consumo de combustíveis com “aceleração significativa” de 59% em abril

O consumo de combustíveis aumentou 59% em abril face ao mesmo mês de 2020, registando uma “aceleração significativa” com o desconfinamento e a retoma gradual das atividades económicas, divulgou hoje a Entidade Nacional para o Setor Energético (ENSE).

Arrancou hoje a construção das primeiras centrais solares saídas do leilão de 2019

As três centrais da espanhola Solaria vão ter uma capacidade instalada de 64 megawatts num investimento de 23 milhões de euros.
Comentários