EDP completa aumento de capital de 1,02 mil milhões, com procura de 256% da oferta

A operação foi lançada a 15 de julho para ajudar a empresa a comprar a espanhola Viesgo sem aumentar o nível de endividamento. Entretanto, os dois maiores acionistas da EDP, a China Three Gorges e a espanhola Oppidum, que têm 21,37% e 7,19%, respetivamente, já tinham anunciado que iriam acompanhar o aumento.

Cristina Bernardo

A EDP Energias de Portugal anunciou esta sexta-feira que o aumento de capital de 1,02 mil milhões, lançado para ajudar a financiar a compra da espanhola Viesgo, foi subscrito na totalidade, com a procura total a representar 256% da oferta.

“No exercício de direitos de subscrição foram objeto de subscrição proporcional 289,87 milhões de ações, representativas de cerca de 93,8% do total de novas ações a emitir no âmbito da presente oferta, tendo ficado disponíveis para rateio 19.270.341 novas ações”, informou a EDP em comunicado divulgado no site da CMVM.

Os pedidos suplementares de ações sujeitos a rateio totalizaram 501, 56, milhões de ações, excedendo cerca de 26 vezes a quantidade disponível para o efeito, adiantou. ”

“Deste modo, a procura total registada no presente aumento de capital representou cerca de 256% do montante da oferta”, adiantou. “O aumento de capital foi assim totalmente subscrito correspondendo a um encaixe financeiro de 1,02 mil milhões de euros”.

As ações da energética caem esta quinta-feira às 13h37 0,86% para 4,372 euros cada, numa sessão em que o índice PSI 20 perde 0,14%.

A EDP anunciou a 15 de julho a compra da elétrica espanhola Viesgo, avaliada em 2,7 mil milhões de euros, incluindo 1,1 mil milhões de dívida. No mesmo dia, a empresa portuguesa apresentou uma operação de aumento de capital de 1,02 mil milhões de euros, através da venda de 309,14 milhões de ações, para ajudar a financiar a operação sem se endividar mais.

As novas ações são oferecidas diretamente à subscrição dos acionistas, no exercício dos seus direitos de preferência, ao preço de subscrição de 3,30 euros por ação. A cada ação EDP detida até ao fecho de dia 20 de julho foi atribuído um direito de subscrição.  O número de ações a subscrever no exercício de tais direitos resulta da aplicação do fator 0,085035375 ao número de direitos de subscrição detidos no momento da subscrição, com arredondamento por defeito.

A China Three Gorges, maior acionista da EDP com 21,37%, anunciou na quarta-feira que pagou 220 milhões de euros para comprar mais de 66 milhões de ações da elétrica portuguesa, de forma a acompanhar o aumento de capital. Também a espanhola Oppidum, segunda maior acionista com 7,19%, anunciou que investiu mais de 70 milhões de euros no aumento de capital da elétrica.

Houve também um a negociação desses direitos de subscrição, que durou entre 23 de julho e 3 de agosto. No cômputo geral das oito sessões de negociação na Euronext Lisbon, a evolução do preço dos direitos foi negativa, descendo 8,31% da abertura de 0,1059 euros no dia 23 de julho até ao fecho de 0,0971 euros esta segunda-feira.

A EDP adiantou esta sexta-feira que o processo de rateio entre todos os subscritores que manifestaram interesse em subscrever um número de ações superior àquele a que teriam proporcionalmente direito deu lugar a
sucessivas iterações, atribuindo-se ações no respeito da proporção do valor das respetivas subscrições, com arredondamento por defeito.

“A liquidação financeira das novas ações subscritas no exercício dos direitos de subscrição ocorre na presente data e a liquidação financeira das Novas Ações atribuídas em rateio deverá ocorrer a 11 de agosto de 2020”, acrescentou.

“Mais se informa que a EDP requereu à Euronext Lisbon – Sociedade Gestora de Mercados Regulamentados, S.A. a admissão da totalidade das Novas Ações à negociação no Mercado Regulamentado Euronext Lisbon, prevendo-se que a mesma ocorra no dia 17 de agosto de 2020 ou em data aproximada, após o registo comercial do aumento de capital junto da Conservatória do Registo Comercial”.

[Atualizada às 13h33]

 

Ler mais

Relacionadas

Miguel Stilwell: “Sucesso do aumento de capital é ainda mais importante perante incerteza económica mundial”

A EDP anunciou hoje os resultados da operação de aumento de capital, com a procura a superar em 256% a oferta. Os dois maiores acionistas da EDP foram a jogo e mantiveram a sua participação inalterada.

China Three Gorges paga 220 milhões e acompanha aumento de capital da EDP

“No contexto do aumento de capital pelo qual é conferido aos acionistas direitos de subscrição, o membro do Conselho de Geral de Supervisão China Three Gorges (Europe), S.A. (“CTGE”) informou a EDP que optou pelo exercício dos respectivos direitos”, pode ler-se no comunicado hoje enviado pela EDP à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Direitos da EDP disparam 12,65% em corrida final, mas desceram 8,3% em oito sessões

No total foram 55.778 transações, num valor total de 46,94 milhões de euros com 502,13 milhões de direitos a trocarem de mãos.

EDP: Tudo o que precisa de saber sobre o aumento de capital de mil milhões

A operação de aumento de capital tem hoje início, pois é o último dia em que as ações negoceiam com os direitos incorporados. Os acionistas são obrigados a participar, caso contrário, a sua posição fica diluída.
Recomendadas

Porto de Sines integra o maior evento ibérico sobre gás natural

Segundo os responsáveis do porto alentejano, este congresso “tem como objetivo debater temáticas relacionadas com gás natural e gases renováveis, procurando encontrar respostas para os atuais desafios do setor dos transportes”.

“É obrigatório insistir nos objetivos do Pacto Ecológico Europeu”, diz secretária de Estado do Ambiente

Inês dos Santos Costa referiu esta quarta-feira que os decisores políticos e empresariais, cientistas e estudantes têm a responsabilidade de defender um modelo económico ambientalmente responsável e socialmente inclusivo. Declarações proferidas na ‘Portugal Smart Cities Summit 2020, que decorre até quinta-feira no Centro de Congressos de Lisboa e que conta com o Jornal Económico como media partner.

ERSE garante estar disponível para ajudar a “ultrapassar todas as barreiras” na transição para a energia limpa

O diretor de Infraestruturas e Redes da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos considera que a inovação permite garantir “a segurança de abastecimento, a concorrência e a sustentabilidade do planeta através da descarbonização”. Margarida Ramires, uma das responsáveis da lei que criou o autoconsumo coletivo e as comunidades de energia, apelou a que as unidades agrícolas repensem a forma de consumir energia.
Comentários