EDP e Jerónimo Martins colocam PSI-20 no ‘verde’

Por cá, a EDP e a Jerónimo Martins puxaram pelo principal índice nacional numa sessão com sete subidas, dez descidas,  enquanto a F. Ramada manteve-se inalterada. A energética liderada por António Mexia subiu 2,56%, estando a negociar nos 4,0390 euros. Já a retalhista, liderada por Pedro Soares dos Santos, avançou 3,66%, para 15,850 euros.

Reuters

O principal índice da bolsa de Lisboa, o PSI-20, encerrou a sessão desta quarta.-feira em alta, depois de valorizar 0,33% para 5.309,86 pontos, no dia que marcou a estreia da negociação dos títulos da Merlin Properties na praça lisboeta.

Na Europa não houve uma tendência definida. As praças de Frankfurt, Paris, e Madrid desceram, tal como o índice pan-europeu EuroStoxx 50. Só em Londres o FTSE 100 acompanhou a trajetória positiva do PSI-20.

Por cá, a EDP e a Jerónimo Martins puxaram pelo principal índice nacional numa sessão com sete subidas, dez descidas,  enquanto a F. Ramada manteve-se inalterada. A energética liderada por António Mexia subiu 2,56%, estando a negociar nos 4,0390 euros. Já a retalhista, liderada por Pedro Soares dos Santos, avançou 3,66%, para 15,850 euros.

Em sentido contrário, os títulos da Galp, do Banco Comercial Português, da Mota-Engil, dos CTT, da Nos e da Semapa perderam todos mais de 1%

A imobiliária espanhola Merlin Properties valorizou mais de 4% no dia da estreia em bolsa nacional, encerrando a sessão nos 12,90 euros.

Esta manhã a Caixa BI, banco de investimento da Caixa Geral de Depósitos, anteviu um ano positivo para o  PSI-20, com uma subida potencial de 13% e selecionou as ações da Mota-Engil, da Ren, da Sonae e Sonae Capital como ‘top picks’.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo está a cair. Em Londres, o barril de Brent está a desvalorizar 0,50%, para 64,15 dólares, e nos Estados Unidos, o West Texas Intermediate perde 0,48%, para 57,95 dólares.

Ler mais

Recomendadas

CTT, Galp e papeleiras pressionam bolsa portuguesa

No PSI 20, quinze empresas cotadas desvalorizam, duas valorizam e uma negoceia sem variação.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

O Reino Unido e a União Europeia selam formalmente o divórcio na sexta-feira naquele que deverá ser o maior acontecimento desta semana, que começa com Mário Centeno a ser ouvido pela Comissão de Orçamento e Finanças, e que marca a despedida de Mark Carney do cargo de governador do Banco de Inglaterra.

Bolsas continuam a subir em 2020, mas a um ritmo mais lento

Menor incerteza internacional deverá impulsionar os mercados acionistas, com a ajuda dos bancos centrais. Por outro lado, mercado da dívida soberana continua pouco atrativo para os investidores.
Comentários