EDP: Fundo Elliott quer acionistas a votarem proposta que pode determinar “fim imediato” da OPA chinesa

O fundo Elliott quer realizar uma espécie de moção de censura à OPA da China Three Gorges. Se a proposta sobre o fim da blindagem de votos for submetida à AG, e se for chumbada, então a OPA chinesa está morta, acredita o fundo norte-americano.

O fundo Elliott quer incluir uma proposta de deliberação para ser votada na assembleia-geral de acionistas da EDP, numa espécie de moção de censura à oferta pública de aquisição (OPA) da China Three Gorges (CTG). Os norte-americanos querem que os acionistas da elétrica se pronunciem sobre o fim da blindagem de votos, que está atualmente limitada a 25% do capital. Se a alteração ao limite máximo de votos for chumbada pelos acionistas, a OPA da CTG está morta, acredita o fundo Elliott.

“A Elliott acredita que a proposta de deliberação– sobre a alteração dos estatutos da EDP para eliminar o atual limite máximo de 25% dos direitos de voto – irá clarificar a situação atual da EDP face à Oferta, ultrapassando assim o atual impasse e dando à EDP um caminho claro para o futuro”, segundo um comunicado divulgado pela Elliott esta quinta-feira, 28 de março. A assembleia-geral de acionistas da EDP vai ter lugar a 24 de abril.

“Caso a deliberação não obtenha uma maioria qualificada de dois terços dos acionistas presentes na Assembleia Geral Anual de 24 de abril de 2019, o limite de voto permanecerá em vigor. Tal resultado deve não só permitir o fim imediato da Oferta na sua forma atual, como também proporcionar à Sociedade a certeza necessária para planear o futuro”, pode-se ler no documento.

A CTG, que detem atualmente 23,27% da EDP, impôs que uma das condições para o sucesso da sua oferta era precisamente a desblindagem dos votos da elétrica. Se fosse aprovada, isto significaria que a CTG poderia votar acima dos 25%, caso reforçasse a sua participação no âmbito da OPA.

No seu comunicado, a empresa fundada por Paul Elliott Singer critica a não-evolução da OPA da China Three Gorges, que foi lançada em maio de 2018. “Desde o seu ínicio, há mais de dez meses, a oferta da CTG tem estado parada, tendo o efeito prático de dificultar o progresso da EDP em diversas frentes. A proposta de deliberação da Elliott oferece uma oportunidade a todos os acionistas – incluindo a CTG – de ajudar a resolver o impasse atual. Uma votação permitiria aos acionistas da EDP pôr fim à incerteza causada pela Oferta da CTG, o que, por sua vez, permitiria à administração da EDP prosseguir uma estratégia de otimização e investimento do portfólio mais ambiciosa”, argumenta a Elliott.

Relacionadas

Efeito Elliott: EDP volta a atingir preço da OPA, mas longe dos 4,33 euros ambicionados pelos americanos

A EDP regressou aos 3,26 euros oferecidos pelos chineses. Já o fundo norte-americano prevê que a redução da dívida e a aposta nas renováveis poderão levar a EDP a valorizar par os 4,33 euros.

Fundo americano: Venda da EDP Brasil e centrais a carvão rende 7,6 mil milhões

O fundo Elliott quer reduzir a dívida líquida de 14,5 milhões de euros da EDP. Para tal, defende a venda de vários ativos no Brasil, em Portugal e em Espanha, prevendo um encaixe superior a sete mil milhões. O foco de investimento nos próximos anos devem ser as renováveis, argumentam os norte-americanos.

OPA: Fundo americano exige aos chineses da CTG subida da oferta pela EDP

Além da revisão da oferta, o fundo Elliott exige saber o que a CTG pretende fazer à EDP e nas questões regulatórias que a OPA enfrenta em Portugal, na Europa e nos Estados Unidos. Os americanos criticam a forma como a CTG está a conduzir a OPA e considera que poderá mesmo provocar um “enfraquecimento da EDP”.
Recomendadas

Sonae diz-se preocupada com o ‘Luanda Leaks’

O grupo cruza interesses com Isabel dos Santos na NOS e por pouco não aumentou a exposição às parcerias com a empresária angolana através da ida dos hipermercados para aquele país africano.

Grupo Vila Galé confirma desistência do projeto de Una na Bahia

“Nunca houve ali indígenas, nunca ali houve uma reserva indígena, não há, nem vai haver, como vão ver daqui a pouco tempo, quando surgir a decisão final”, garantiu Jorge Rebelo de Almeida reagindo às notícias de que o projeto iria inviabilizar uma reserva de indígenas brasileiros.

Vila Galé vai investir 45 milhões e abrir mais três hotéis em 2020

Com a abertura destas três unidades hoteleiras e a ampliação do Vila Galé Douro Vineyards, o grupo irá aumentar a sua oferta em 318 quartos – atualmente gere mais de 7.500 quartos – elevando de 34 para para 37 hotéis em Portugal (27) e no Brasil (dez).
Comentários