EDP: Fundo Elliott quer acionistas a votarem proposta que pode determinar “fim imediato” da OPA chinesa

O fundo Elliott quer realizar uma espécie de moção de censura à OPA da China Three Gorges. Se a proposta sobre o fim da blindagem de votos for submetida à AG, e se for chumbada, então a OPA chinesa está morta, acredita o fundo norte-americano.

O fundo Elliott quer incluir uma proposta de deliberação para ser votada na assembleia-geral de acionistas da EDP, numa espécie de moção de censura à oferta pública de aquisição (OPA) da China Three Gorges (CTG). Os norte-americanos querem que os acionistas da elétrica se pronunciem sobre o fim da blindagem de votos, que está atualmente limitada a 25% do capital. Se a alteração ao limite máximo de votos for chumbada pelos acionistas, a OPA da CTG está morta, acredita o fundo Elliott.

“A Elliott acredita que a proposta de deliberação– sobre a alteração dos estatutos da EDP para eliminar o atual limite máximo de 25% dos direitos de voto – irá clarificar a situação atual da EDP face à Oferta, ultrapassando assim o atual impasse e dando à EDP um caminho claro para o futuro”, segundo um comunicado divulgado pela Elliott esta quinta-feira, 28 de março. A assembleia-geral de acionistas da EDP vai ter lugar a 24 de abril.

“Caso a deliberação não obtenha uma maioria qualificada de dois terços dos acionistas presentes na Assembleia Geral Anual de 24 de abril de 2019, o limite de voto permanecerá em vigor. Tal resultado deve não só permitir o fim imediato da Oferta na sua forma atual, como também proporcionar à Sociedade a certeza necessária para planear o futuro”, pode-se ler no documento.

A CTG, que detem atualmente 23,27% da EDP, impôs que uma das condições para o sucesso da sua oferta era precisamente a desblindagem dos votos da elétrica. Se fosse aprovada, isto significaria que a CTG poderia votar acima dos 25%, caso reforçasse a sua participação no âmbito da OPA.

No seu comunicado, a empresa fundada por Paul Elliott Singer critica a não-evolução da OPA da China Three Gorges, que foi lançada em maio de 2018. “Desde o seu ínicio, há mais de dez meses, a oferta da CTG tem estado parada, tendo o efeito prático de dificultar o progresso da EDP em diversas frentes. A proposta de deliberação da Elliott oferece uma oportunidade a todos os acionistas – incluindo a CTG – de ajudar a resolver o impasse atual. Uma votação permitiria aos acionistas da EDP pôr fim à incerteza causada pela Oferta da CTG, o que, por sua vez, permitiria à administração da EDP prosseguir uma estratégia de otimização e investimento do portfólio mais ambiciosa”, argumenta a Elliott.

Relacionadas

Efeito Elliott: EDP volta a atingir preço da OPA, mas longe dos 4,33 euros ambicionados pelos americanos

A EDP regressou aos 3,26 euros oferecidos pelos chineses. Já o fundo norte-americano prevê que a redução da dívida e a aposta nas renováveis poderão levar a EDP a valorizar par os 4,33 euros.

Fundo americano: Venda da EDP Brasil e centrais a carvão rende 7,6 mil milhões

O fundo Elliott quer reduzir a dívida líquida de 14,5 milhões de euros da EDP. Para tal, defende a venda de vários ativos no Brasil, em Portugal e em Espanha, prevendo um encaixe superior a sete mil milhões. O foco de investimento nos próximos anos devem ser as renováveis, argumentam os norte-americanos.

OPA: Fundo americano exige aos chineses da CTG subida da oferta pela EDP

Além da revisão da oferta, o fundo Elliott exige saber o que a CTG pretende fazer à EDP e nas questões regulatórias que a OPA enfrenta em Portugal, na Europa e nos Estados Unidos. Os americanos criticam a forma como a CTG está a conduzir a OPA e considera que poderá mesmo provocar um “enfraquecimento da EDP”.
Recomendadas

Conheça as mulheres que estão a dar cartas no negócio dos vinhos em Portugal

JE conta a história de Leonor Freitas, da Casa Ermelinda Freitas, Olga Martins, da Lavradores de Feitoria, Rita Nabeiro, da Adega Mayor, Filipa Pato, da Pato e Wouters, e Luísa Amorim, da Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo e Quinta da Taboadella.

Travão de apoio ao Novo Banco é um “número de circo, mas não viola a Constituição”, diz fiscalista

A anulação da transferência de 476 milhões de euros para o Novo Banco, aprovada no Orçamento do Estado, não é inconstitucional, mas “gerará responsabilidade civil”, disse o antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais Rogério Fernandes Ferreira, à Lusa.

Oscar Herencia: “A evolução dos seguros tem de ir para um conceito de personalização”

O futuro passa pelos “seguros à medida” em que o cliente seleciona um produto ‘umbrella’, que pode ser um seguro de vida, e depois tem um extenso leque de objetivos para criar um produto personalizado, avança o diretor geral da MetLife para a Ibéria.
Comentários