EDP Renováveis aumenta produção em 6% em 2019

As geografias que mais cresceram em termos de produção de energia na EDP Renováveis foram o Brasil (+42%) e os EUA (+6%).

A EDP Renováveis aumentou a produção em 6% em 2019 face a 2018, para 30.041 Gwh, segundo o Relatório de Produção e Capacidade de 2019, divulgado à CMVM.

As geografias que mais cresceram em termos de produção de energia na EDP Renováveis foram o Brasil (+42%). Os Estados Unidos ultrapassam o México como mercado produtor de energia ao registar um aumento de produção naquele mercado de 6%, acima do México (+5%) e do próprio mercado doméstico onde o crescimento da produção de eletricidade foi de 5%. No Canadá houve um decréscimo anual de 2%.

A EDPR produziu 30 TWh de energia renovável em 2019, traduzindo-se num incremento anual de +6%. O aumento da produção beneficiou da “capacidade adicionada ao longo dos últimos 12 meses e maior recurso eólico, apesar do impacto da desconsolidação de 997 MW relativos a uma transação sell-down na Europa que ocorreu em julho”.

“Em 2019, as operações na Europa, América do Norte e Brasil geraram 39%, 55% e 6% do total da produção”, diz a EDP Renováveis.

“Na Europa, apesar da desconsolidação de 997 MW em julho, a geração incrementou 3% versus 2018, dado o superior recurso eólico. Na América do Norte, a geração aumentou 5% para 16,5 TWh versus 2018, refletindo capacidade adicional em operação. No Brasil, a produção aumentou para 1,8 TWh, devido ao maior recurso eólico”, lê-se no relatório.

“Em 2019, a EDPR atingiu um fator de utilização de 32% (o que compara com 30% em 2018), refletindo 97% do P50 (média de longo prazo). No quarto trimestre de 2019, a EDPR alcançou um fator de utilização de 35% (versus 31% em 2018), beneficiando do maior recurso eólico (P50 de 93% versus 88% no 4º trimestre do ano anterior)”, acrescenta o relatório.

Na Europa, a EDPR atingiu 28% de fator de utilização (+2 pontos percentuais que em 2018). Em Espanha, a EDPR alcançou um fator de utilização de 28%, +2pp que em 2018 e 3 pp acima da média de mercado.

Portugal registou um fator de utilização de 29% (+2 pontos percentuais que em 2018).

No Resto da Europa, a EDPR obteve um fator de utilização de 26% (+2pp versus
2018).

Já na América do Norte, a EDPR alcançou um fator de utilização de 34% (estável quando comparado com 2018), e no Brasil um fator de utilização de 43% (que compara com 40% em 2018.

De acordo com o comunicado enviado à CMVM, em dezembro de 2019 a EDP Renováveis geria um portfólio de 11,4 GW, dos quais 4,6 GW na Europa (2,1 GW Espanha, 1,2 GW Portugal e 1,3 GW no Resto da Europa), 6,3 GW na América do Norte e 0,5 GW no Brasil. Do total de 11,4 GW, 284 MW são de energia solar PV e 11.078 MW de energia eólica onshore.

No ano passado a empresa construiu 888 MW, dos quais 169 MW na Europa, nomeadamente 53 MW em Espanha, 47 MW em Portugal, 19 em MW França e 50 MW em Itália; e 720 MW nos EUA, dos quais 581 MW relacionados com projectos de eólico onshore e 139 MW de solar pv.

“Executando a estratégia de sell‐down, no período a EDPR concluiu a venda da sua participação num portfólio de 997 MW na Europa (348 MW em Espanha, 191 MW em Portugal, 388 MW em França e 71 MW na Bélgica; 491 MW líquidos para a EDPR)”, explica a empresa.

Nos EUA, “no seguimento da transação de sell‐down de 80% anunciado em dezembro de 2018, a EDPR concluiu a construção e desconsolidação do parque Prairie Queen,
registando +40 MW por método de equivalência patrimonial (participação de 20% em 199 MW)”.

A EDPR também concluiu a aquisição de 50% de um portfólio solar de 278 MW, cuja construção terminou no 4º trimestre de 2019, contabilizando +139 MW por método de equivalência patrimonial. “Por outro lado, a EDPR completou a re‐potenciação de 24 MW em Espanha (descomissionamento das turbinas)”.

Em resumo, em dezembro de 2019, a variação líquida consolidada do portfólio da EDPR foi de ‐310 MW (versus um ano antes).

Em julho, a EDPR anunciou uma transação de sell‐down relativa ao parque eólico Babilonia de 137 MW no Brasil. A conclusão da transação é esperada ocorrer durante o primeiro trimestre deste ano.

No fim do ano passado a empresa tinha 1 GW de nova capacidade em construção, dos quais 664 MW eram de eólico onshore e 330 MW correspondiam a participações minoritárias em projetos offshore e flutuantes.

Em termos de eólico onshore, na Europa 154 MW estavam em construção com 18 MW em Espanha (re‐potenciação), 6 MW em Portugal, 63 MW em França, 58 MW na Polónia e 10 MW na Bélgica.

Na América do Norte estavam também em construção 509 MW, correspondente a 3 projetos eólicos onshore.  Em termos de eólico offshore a EDPR tinha no Reino Unido 316 MW em construção do projecto Moray East e, em Portugal, 14 MW do projeto flutuante Windplus (trata-se de 3 turbinas sendo que a primeira foi conectada à rede em dezembro.

 

Ler mais
Recomendadas

AEP insiste na internacionalização em três frentes simultâneas

Dubai, México e Senegal são as geografias onde, esta semana, A Associação Empresarial de Portugal leva empresas interessadas em aumentar a sua exposição aos novos mercados.

CEO da RealFevr: “Temos 60 mil pessoas por semana a jogar na nossa plataforma”

Fred Antunes, CEO da RealFevr, plataforma de ‘fantasy leagues’, esteve na última edição do “Mercados em Ação” e referiu que com 250 mil utilizadores ativos e 60 mil pessoas a jogar semanalmente, “não faz sentido que a plataforma não evolua para o deliver de conteúdos”.

Fred Antunes, CEO da RealFevr: “Queremos ser um marketplace de fantasy leagues”

Fred Antunes, CEO da RealFevr, plataforma de ‘fantasy leagues’, antecipa os próximos passos da plataforma: “a integração do cross sell dentro da plataforma é a evolução do que queremos ser, ou seja, um marketplace de fantasy leagues.
Comentários