EDP Renováveis e Sonae SGPS levam PSI 20 ao ‘vermelho’ no fecho da sessão

Praça lisboeta fechou a sessão desta quinta-feira com uma descida de 0,36% para 5.274,43 pontos, seguindo a tendência das suas congéneres europeias.

Stringer/Reuters

O principal índice bolsista português, PSI 20, fechou a sessão desta quinta-feira a desvalorizar 0,36% para 5.274,43 pontos, seguindo a tendência das suas congéneres europeias que fecharam a sessão a negociar em terreno negativo.

A fazer tombar o PSI 20 estiveram entre as principais cotadas portuguesas a EDP Renováveis, que caiu 1,17%, para 10,12 euros, a Sonae SGPS, que desceu 1,23%, para 0,92 euros, um dia depois da empresa ter apresentado os seus resultados relativos. O resultado líquido nos nove primeiros meses do ano caiu dos 105 milhões para os 88 milhões de euros, já que no segundo trimestre de 2018 a empresa registou um ganho de capital resultante da venda de uma participação na Outsystems.

Em terreno negativo encontram-se também a Jerónimo Martins que desceu 1,16%, para 14,97 euros e os CTT, que caíram 0,76%, para 3,13 euros.

Das cotadas nacionais a negociarem no ‘verde’ no fecho da sessão estiveram a Pharol, que disparou 5,20%, para 0,11 euros, a petrolífera Galp, que subiu 0,40%, para 15,12 euros e a F.Ramada, que valorizou 0,97%, para 6,26 euros.

Na Europa as cotadas fecharam a sessão a negociarem no ‘vermelho’, apesar das notícias positivas sobre o crescimento económico trimestral na Alemanha, com os investidores a manterem-se atentos aos desenvolvimentos relativos ao acordo comercial entre os Estados Unidos e a China.

Na Alemanha, o DAX desceu 0,38%, no Reino Unido, o FTSE 100 caiu 0,80%, o francês CAC 40 desvalorizou 0,10%, o holandês AEX caiu 0,39%. Em Espanha, o IBEX35 desvalorizou 0,23% e o italiano FTSE MIB desceu 0,41%.

A cotação do barril de Brent desvalorizou 0,05%, com valor de 62,34 dólares, enquanto a cotação do crude WTI desceu 0,30%, para 56,95 dólares por barril.

No mercado cambial o euro valorizou 0,10%, para 1,10 dólares.

Ler mais

Recomendadas

“Problemas no setor de aviação convertem-se em oportunidades”, considera CEO da EuroAtlantic

Quais os grandes desafios que o setor da aviação vai ter que ultrapassar? Eugénio Fernandes, CEO da EuroAtlantic, esclarece que a empresa funciona em contraciclo com o mercado e que os problemas no setor convertem-se em oportunidades. Quanto aos problemas, este responsável aponta a falta de pessoal como questão a ultrapassar.

Espanha renova supervisores económicos este ano

Imprensa espanhola refere que Inmaculada Gutiérrez Carrizo deverá ser a próxima presidente da Comissão Nacional de Mercados e Concorrência.

PremiumAltamira vendeu 250 milhões de euros em imobiliário e malparado em 2019

Sociedade tem mais de quatro mil propriedades em Portugal. Eduardo Cerqueira, CEO em Portugal, revelou que o objetivo é “melhorar entre dez a 20 milhões de euros” os resultados de 2019.
Comentários