EDP Renováveis vende projeto eólico no Brasil por 127,3 milhões de euros

Este parque eólico, que agora será da Actis, denominado de Babilónia, localiza-se no estado brasileiro de Bahia e encontra-se em operação desde o quatro trimestre de 2018. Este mesmo projeto era detido a 100% pela EDP que, em 2015, assegurou em leilão um contrato de aquisição de energia, cuja duração era de 20 anos.

Cristina Bernardo

A EDP Renováveis anunciou esta quarta-feira, 12 de fevereiro, através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) a conclusão da venda de um projeto de tecnologia eólica no Brasil, no valor de 598 milhões de reais (127,25 milhões de euros).

Trata-se de um “projeto de tecnologia eólica onshore com 137 MW de capacidade instalada, a uma filial da Actis, por 598 milhões de reais (valor do capital próprio; correspondente a 1,2 mil milhões de reais ou 300 milhões de euros de enterprise value), o que representa todo o valor acumulado do negócio, indica o comunicado da CMVM.

No verão de 2019, a EDP “chegou a acordo com uma filial da Actis, um investidor de private equity em mercados em crescimento, para a venda da participação acionista total relativa a um projeto de tecnologia eólica onshore“, acrescenta o comunicado.

Este parque eólico, que agora será da Actis, denominado de Babilónia, localiza-se no estado brasileiro de Bahia e encontra-se em atividade desde o quarto trimestre de 2018. Este mesmo projeto era detido a 100% pela EDP que, em 2015, assegurou em leilão um contrato de aquisição de energia, cuja duração era de 20 anos.

“A conclusão desta alienação faz parte da estratégia de asset rotation [rotação de ativos] para o período 2019-22, apresentada na atualização estratégica a 12 de março de 2019″, justifica a empresa. Segundo a EFE, na altura do início do negócio, “a EDP Renováveis consegue 25% do objetivo de rotação de ativos estipulados para o período 2019-2022”, valor esse que está fixado em quatro mil milhões de euros.

O início da venda do projeto Babilónia já tinha sido anunciado em julho, nos meios brasileiros, que declararam que a venda fazia parte da estratégia de venda de participações maioritárias em projetos renováveis operacionais ou em desenvolvimento, “o que permite à EDP acelerar a criação de valor e reciclar capital para reinvestir em crescimento adicional”, assumiu a empresa no verão.

Na bolsa portuguesa, a empresa EDP Renováveis, liderada por Manso Neto, encontra-se a cair 0,65% para 12,30 euros.

 

Ler mais
Relacionadas

EDP Renováveis reforça portfólio eólico no Brasil

Com este novo contrato de aquisição de energia (CAE), a EDPR tem atualmente em desenvolvimento cerca de 1,1 GW de projetos de energia eólica e solar para início das operações entre 2021 e 2024, todos com CAEs de longo prazo garantidos.

EDP assina novo contrato energético no Brasil

Em causa está a venda de energia gerada pelo parque solar de Lagoa, em Paraíba, com uma capacidade total de 66 megawatts.

Lucro da EDP dispara 55% para 460 milhões nos nove meses com apoio das renováveis e Brasil

O EBITDA – resultado antes juros, impostos, depreciações e amortizações – subiu 10%, também face ao mesmo período do ano passado,  para 2.661 milhões de euros. Maior capacidade de eólica e ganhos com venda de parques ajudaram os resultados.

EDP Renováveis assegura contrato de 15 anos para energia solar

A EDP Renováveis foi a única licitante no leilão de 1,4 GW de energia solar realizado em julho, mas a a DGEG aceitou a sua proposta para vender eletricidade produzida pelo projeto solar Ribatejo e tem uma capacidade total de 142 MW.

EDP Renováveis vende ativos eólicos no Brasil

Com esta transação, a EDP já atingiu 25% do objetivo de quatro mil milhões de euros de rotação de ativos para o período 2019-2022.

Mexia: EDP Renováveis focada nas “oportunidades de crescimento”

A EDP Renováveis aumentou o seu portefólio em 720 megawatts (MW) no primeiro semestre, com a nova potência a contribuir com 71 milhões de euros para os resultados da companhia.
Recomendadas

Vendas dos lojistas com quebras de 37% face a 2019. Em Lisboa, a redução é superior a 40%

Por sector de atividade, a restauração continua a ser o setor mais afetado, com a descida das vendas a registar 49,1%, o sector de retalho 34,3% e o sector de serviços 38,5%.

Sociedade do Luxemburgo quer comprar até 450 milhões de euros de dívida da dona do Minipreço

A sociedade do Luxemburgo é a DEA Finance, que é detida pela LetterOne. A mesma LetterOne que é a principal acionista da dona do Minipreço, com 69,76% do capital.

PSD diz que “começa a ser evidente” necessidade de uma comissão de inquérito ao Novo Banco

Em causa está mais um negócio ruinoso do Novo Banco para o Estado português, desta vez com a venda a preços de saldo de uma seguradora a um fundo detido por um milionário condenado por corrupção. Os social-democratas dizem que comissão de inquérito é essencial para se perceber como forma feitas as compras e vendas de ativos do banco.
Comentários