EDP vende ativos eólicos nos EUA (com áudio)

As duas centrais ficam localizadas no estado do Illinois e contam com um total de 405 megawatts.

A EDP Renováveis anunciou esta sexta-feira, 9 de abril, que vendeu 55% de um portefólio eólico nos Estados Unidos.

O valor total destes ativos está avaliado em 720 milhões de dólares, com os ativos a serem vendidos a fundos geridos pela Greencoat Capital.

As duas centrais ficam localizadas no estado do Illinois e contam com um total de 405 megawatts (MW): Bright Stalk com 205 MW em operação desde 2019, e Harvest Ridge com 200 MW em operação desde 2020.

A empresa diz que a transação pode vir a ser aumentada para uma participação de 80% “entre a assinatura do acordo e a sua conclusão, sujeito a acordo entre as partes”.

Esta operação está sujeita a condições regulatórias e “outras condições precendentes habituais para uma transação desta natureza”.

“Esta transacção está inserida no contexto do programa de rotação de ativos de oito mil milhões anunciado no Capital Markets Day da EDP, permitindo à EDP acelerar a criação de valor e reciclar capital para reinvestir em crescimento rentável”, segundo o comunicado.

Ler mais
Recomendadas

PremiumTK Elevator sucede a ThyssenKrupp com 400 profissionais em Portugal

Independente desde 31 de julho de 2020, a empresa conta com uma carteira de 1,4 milhões de elevadores e escadas mecânicas no mercado nacional. Ricardo Malheiro, CEO da TK Elevator, explica ao JE o impacto da pandemia na atividade da empresa.

Depois da polémica com barragens, Governo anuncia investimentos de 90 milhões em Trás-os-Montes

O ministro do Ambiente anunciou investimentos – financiados pelo Orçamento do Estado, fundos europeus e Fundo Ambiental – para os 10 municípios transmontanos onde ficam localizadas as barragens vendidas pela EDP a um consórcio francês. Movimento Terras de Miranda tem exigido o pagamento de 110 milhões de euros em imposto de selo por esta transação no valor de 2,2 mil milhões de euros.
Supremo Tribunal de Justiça

Supremo indemniza maquinista da MTS despedido após levar filha na cabina

Relação de Lisboa já tinha defendido que responsabilidades parentais do trabalhador divorciado se sobrepunham aos direitos da concessionária do metro de superfície em Almada e no Seixal. Segue-se cálculo do valor a pagar a quem foi despedido por nove faltas consideradas injustificadas.
Comentários