EDPR assegura 421 milhões de dólares de financiamento no Bank of America através de “tax equity”

A EDP Renováveis estabeleceu um novo acordo “tax equity” para 405 MW nos EUA, anunciou a empresa liderada por Manso Neto.

A EDP Renováveis, através da sua subsidiária EDP Renewables North America LLC, assegurou 421 milhões de dólares através de um financiamento “Tax Equity”, com o Bank of America, em troca de um interesse económico num portfolio de projetos eólicos onshore de 405 MW.

A informação resulta de um comunicado da empresa liderada por João Manso Neto à CMVM.

Os projetos estão localizados no estado de Illinois e têm garantidos contratos de aquisição de energia de longo-prazo, garante a empresa.

“O financiamento dos projetos deverá acontecer próximo ao início da entrada em operação dos respetivos parques, o que é esperado ocorrer no último trimestre de 2019 e no primeiro trimestre de 2020”, anuncia a EDP Renováveis.

A empresa adianta que “a estrutura de parceria institucional estabelecida permite uma utilização eficiente dos benefícios fiscais gerados pelo projeto”.

Relacionadas

EDP Renováveis fecha contrato eólico no México

Trata-se de um CAE para venda da energia produzida por um projeto eólico de 100 Megawatts.

Obrigações ‘verdes’: EDP angaria 600 milhões e paga menos na emissão

A elétrica já emitiu 2.100 milhões de euros de green bonds em menos de um ano. Esta foi a terceira emissão de obrigações verdes por parte da elétrica sendo que a dívida destina-se a financiar projetos de energia eólica e solar.

EDP emite 500 milhões de euros em dívida verde

A elétrica já emitiu 2.100 milhões de euros de green bonds em menos de um ano. Esta é a terceira emissão de obrigações verdes por parte da elétrica. Dívida destina-se a financiar projetos de energia eólica e solar.
Recomendadas

Setor de comércio e serviços pede prolongamento do layoff e perdão de rendas

A CCP também aponta que a exigência de certidões de não dívida não faz sentido neste momento em que as empresas enfrentam dificuldades, defendendo que deixe de constituir condição para a “candidatura a qualquer concurso público”.

CFP alerta para impacto “desconhecido” no capital do Novo Banco da litigância com o Fundo de Resolução

No relatório “Perspetivas económicas e orçamentais 2020-2022”, o CFP diz que “existe um risco adicional para as finanças públicas caso o rácio de capital total do Novo Banco se situe abaixo do requisito estabelecido pelas autoridades de supervisão”. Nesta situação, o Estado Português poderá ter de disponibilizar fundos adicionais de forma a que o banco cumpra os requisitos regulatórios. É a chamada Capital Backstop que foi autorizada por Bruxelas para casos “extremos”. O CFP alerta para incógnita sobre o impacto no capital do banco do diferendo na contabilização das IFRS 9.

Extensão das moratórias até 31 de março de 2021 vai hoje a Conselho de Ministros

Proposta das Finanças prevê extensão das moratórias públicas até março de 2021 e o alargar os créditos que poderão beneficiar do regime, como créditos para segunda casa e crédito ao consumo para financiar educação.
Comentários