Efacec: Estado não vai assumir responsabilidade pelas dívidas de Isabel dos Santos, garante Governo

O Executivo socialista acredita que “grande parte” da dívida da empresária angolana aos bancos que financiaram a sua entrada na Efacec (Montepio, BPI e BIC) “está perdida” porque o valor da indemnização que vai resultar da avaliação que o Governo vai fazer “não será suficiente para amortizar a totalidade dessa dívida”.

Harry Murphy/Web Summit

O Governo garante que, apesar da nacionalização da Efacec, o Estado não vai assumir qualquer responsabilidade pelas dívidas contraídas pela empresária angola Isabel dos Santos. O Executivo socialista explica que o objetivo da nacionalização da Efacec foi apenas “salvar a empresa” dos “riscos reputacionais” de Isabel dos Santos e afastar a acionista, sendo o próximo passo a reprivatização da Efacec.

Em audição na comissão de comissão parlamentar da Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, o ministro do Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, rejeitou as críticas do Bloco de Esquerda (BE) de que a nacionalização da Efacec seja uma solução para “agradar aos bancos” que financiaram Isabel dos Santos quando adquiriu a empresa, através da sociedade Winterfell em 2015.

O governante explicou que, ao nacionalizar a participação anteriormente detida pela empresária angolana, aquilo que o Estado faz é “salvar a empresa” e “não fica com nenhuma responsabilidade associada aos financiamento que foram concedidos” pelos bancos Montepio, BPI e BIC.

“Ao nacionalizar a empresa, o Estado fica acionista de controlo de uma sociedade que tem um nível de endividamento baixo e uma situação financeira equilibrada. As dívidas que o acionista da sociedade contraiu para comprar a empresa ficam com ela e com quem a financiou. Estamos a salvar uma empresa não estamos a assumir passivos dos seus acionistas”, sublinhou.

Pedro Siza Veira acredita que “grande parte” da dívida de Isabel dos Santos aos bancos que financiaram a sua entrada na Efacec “está perdida” porque o valor da indemnização que vai resultar da avaliação que o Governo vai fazer “não será suficiente para amortizar a totalidade dessa dívida”.

O ministro disse ainda que “a Efacec é uma empresa que sempre atuou no mercado” e que foi dando, “ao longo de mais de um século”, um contributo decisivo para “a atividade industrial portuguesa, as exportações portuguesas, para a criação de emprego qualificado, apoio ao nosso sistema científico e tecnológico”, assim como na participação de Portugal em programas europeus de investigação e desenvolvimento e na modernização da rede elétrica.

“São contributo essenciais que a Efacec sempre foi dando sem estar na esfera pública. Esta é uma empresa que pode atuar no mercado e continuar a dar esses apoios. Nesse sentido, aquilo que levou o Governo a intervir não foi a circunstância de esta empresa, por si só, não ser capaz de ser viável”, esclareceu Pedro Siza Vieira.

O governante explicou que aquilo que levou o Governo a nacionalizar a Efacec foi o facto de a acionista de controlo, Isabel dos Santos, ser “um risco reputacional muito grande para a empresa” e “não ter sido possível encontrar uma forma de ela se afastar através daquilo que seria o normal funcionamento das relações entre acionistas e credores”. “Tratou-se de resolver um problema concreto e permitir à empresa prosseguir o seu caminho”, referiu.

Pedro Siza Vieira reconhece, no entanto, que a empresa vai precisar de novos acionistas e rejeita ser o Estado a assumir esse papel. “O Estado não fez da Efacec aquilo que ela é hoje. Estou convencido de que a capacidade dos seus trabalhadores, dos seus dirigentes intermédios e da sua gestão de topo de assegurarem que a Efacec continua a ter um peso importante no futuro da economia nacional é aquilo que deve ser assegurado”, frisou o ministro.

A nacionalização da Efacec foi aprovada, em Conselho de Ministros, na passada quinta-feira. O decreto do Governo prevê a nacionalização de “71,73% do capital social da Efacec” e foi de imediato promulgado pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Em comunicado, o Governo explica que “a intervenção do Estado deve ainda ser feita por período restrito no tempo”.

A decisão do Governo surge na sequência da saída de Isabel dos Santos do capital da Efacec, devido ao seu alegado envolvimento do caso ‘Luanda Leaks’, no qual o Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação revelou, em 19 de janeiro passado, mais de 715 mil ficheiros que detalham alegados esquemas financeiros da empresária e do marido que lhes terão permitido retirar dinheiro do erário público angolano através de paraísos fiscais.

Ler mais
Relacionadas

Efacec: Interesses do Estado angolano foram salvaguardados na nacionalização

“O Governo português decidiu pela sua nacionalização. É uma atitude soberana, não podemos colocar impedimento”, declarou o procurador-geral da República (PGR) de Angola
marcelo_rebelo_sousa_legislativas

Marcelo Rebelo de Sousa: “Efacec? Quanto mais curta for esta nacionalização, melhor”

Restou a possibilidade do Estado comprar essa posição para vender imediatamente, acredito que quanto mais curta esta nacionalização melhor. Não foi possível outra solução mas o Estado vai fazer a ponte para o privado”, realçou o Presidente da República.

Esquerda pede apreciação parlamentar da nacionalização da Efacec. Quer evitar reprivatização

O Bloco de Esquerda e o PCP entregaram um pedido de apreciação parlamentar ao decreto-lei aprovado em Conselho de Ministros que nacionaliza os 71,7% detidos pela Winterfell. Os dois partidos querem evitar a menção ao “carácter temporário” da aquisição.

Efacec: Nacionalização relacionada com cooperação judiciária entre Portugal e Angola, diz João Lourenço

Questionado se o Estado angolano sairá em defesa de Isabel dos Santos se estiverem em causa os seus interesses no estrangeiro, João Lourenço sublinhou que “os Estados defendem sempre a justiça, independentemente dos rostos que estejam em causa”.
Recomendadas

André Ventura reeleito presidente do Chega com 97,3% dos votos dos militantes

Depois de ser conhecido o resultado da votação interna, André Ventura reafirmou que o PSD não poderá regressar ao poder sem o Chega.

Ex-autarca do Porto diz que volumetria do projeto do El Corte Inglés é “absurda”

No mês passado, o Bloco de Esquerda denunciou que a Câmara do Porto “abdicou de 31 mil m2 para espaços verdes no projeto do Corte Inglês na Boavista, por considerar não serem necessários devido à proximidade da Rotunda da Boavista”. Para Nuno Cardoso, “tem uma densidade absolutamente desmesurada”.

Rio admite dificuldade de captar mulheres para a vida política e para as autárquicas

Num vídeo pré-gravado de cerca de três minutos transmitido via redes sociais no encerramento da 5.ª Academia de Formação Política para Mulheres do PSD, Rio saudou este tipo de iniciativas, em especial dirigida ao público feminino.
Comentários