Efanor fica com 92,3% da Sonae Capital e 86,2% da Sonae Indústria após as OPA

A Efanor informou à Euronext que quer proceder à aquisição potestativa das ações que não foram adquirida nas OPA e que se as condições para isso não acontecerem, “pretende promover a perda de qualidade de sociedade aberta”. Se nenhuma das situação se verificar as serão excluídas de negociação do mercado regulamentado. Para já, a Sonae Capital sai do PSI 20 a 30 de outubro.

A Efanor, a holding da familia Azevedo, aumentou a participação na Sonae Capital para 92,3% e na Sonae Indústria para 86,2%, segundo os resultados das Ofertas Públicas de Aquisição, informou a Euronext Lisbon esta quarta-feira.

Em ambos os casos, a Efanor informou a Euronext que quer proceder à aquisição potestativa das ações que não foram adquirida nas OPA e que se as condições para isso não acontecerem, “pretende promover a perda de qualidade de sociedade aberta”.

“Caso nenhuma destas situações se verifique, as ações serão excluídas de negociação do mercado regulamentado”, adiantou a Euronext. Em comunicado separado, a Euronext informou que, na sequência dos resultados da OPA, a Sonae Capital será excluída do índice PSI 20 a partir de 30 outubro.

A holding da família Azevedo ofereceu a 31 de julho 1,14 euros por ação no caso da Sonae Indústria e de 0,70 euros por ação na oferta sobre a Sonae Capital. No caso da Sonae Capital, a contrapartida foi aumentada, a 21 de outubro, em 10% para 0,77 euros por ação.

Nas duas ofertas, o sucesso das duas operações estava condicionado à aquisição de 90% do capital de e mais de 90% dos direitos de voto.

No caso da Sonae Capital, a Efanor adquiriu um total de 62,34 milhões de ações para aumentar a participação de 67,357% para 92,3%, mas a Euronext informou que “não foram adquiridas as ações necessárias para atingir os 90% dos direitos de votos abrangidos na Oferta”.  A holding comprou 5, 47 milhões de ações para aumentar a participação de 74,17% para 86,223%.

A Efanor é detida em partes iguais de 25,1% pelos três filhos de Belmiro Azevedo, (Claúdia, Paulo e Nuno Duarte) com a os restantes 20% dividos em partes iguais entre a viúva do empresário, Maria Margarida de Azevedo e a Fundação Belmiro Azevedo.

A holding detém uma participação de 52,90% no Grupo Sonae.

Relacionadas

Revisão do preço da OPA não altera parecer positivo da Sonae Capital ao preço da oferta

Esta semana a Efanor, ‘holding’ da família Azevedo, reviu em alta de 10% a contrapartida na Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a Sonae Capital. A administração considera o preço adequado e que os acionistas devem vender na OPA.

Família Azevedo aumenta o preço da OPA sobre a Sonae Capital em 10%

A Efanor, holding da família Azevedo, reviu em alta o preço da Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a Sonae Capital. Paga agora 77 cêntimos em vez dos anteriores 70 cêntimos. Esta OPA sobre a Sonae Capital decorre em simultâneo com uma oferta sobre a Sonae Indústria. O Grupo Sonae quer retirar ambas de bolsa.

Efanor lança OPA sobre Sonae Indústria e Sonae Capital

Holding da família Azevedo lançou uma OPA sobre a Sonae Indústria, onde já controla 68,8% do capital da empresa, e uma OPA sobre a Sonae Capital, para adquirir os cerca de 37% que ainda não detém. O sucesso da operação está condicionado à aquisição de mais de 90% dos direitos de voto em ambas as empresas e o objetivo é retirar as duas cotadas da bolsa.
Recomendadas

Lista do quadros do Montepio alerta que 57% dos associados não pode votar presencialmente

“Verificou-se que a atual Administração optou por deixar de fora do voto presencial os Associados dos Açores, Madeira, Faro, Évora, Beja, Guarda, Castelo Branco, Portalegre, Setúbal, Leiria, Aveiro, Coimbra, Viseu, Viana do Castelo, Bragança, Braga, Santarém e Vila Real”, alerta a lista liderada por Pedro Gouveia Alves.

Marcelo defende que Estado e privados se unam na reconstrução do turismo

“É necessário que os agentes privados e os poderes públicos tenham uma visão coletiva a médio prazo. Os privados sabem que a retoma da atividade turística requer um horizonte a vários anos. É bom que Estado partilhe essa necessidade de uma visão a médio e longo prazo para o turismo”, defendeu o Chefe de Estado.

5G: Com novas regras em vigor, propostas somam os 375,4 milhões

As propostas dos operadores no leilão 5G somaram hoje 375,4 milhões de euros, no 180.º dia de licitação principal, de acordo com os dados divulgados pela Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom).
Comentários