Eleições na Índia: uma batalha online entre 500 milhões de eleitores

Há quatro anos, só 155 milhões de indianos tinham um smartphone. O número cresceu para cerca de 500 milhões, segundo a empresa de análise de mercado Counterpoint Research.

Narendra Modi

A Índia tem perto de 900 milhões de eleitores e estima-se que 500 milhões tenham acesso à Internet. No país há 300 milhões de utilizadores do Facebook e 200 milhões que usam o serviço de mensagens WhatsApp.

“As redes sociais e análise de dados vão ser os principais atores nas próximas eleições [a serem realizadas entre abril e maio] na Índia. A sua utilização não tem precedentes, porque ambos os partidos usam atualmente as redes sociais”, disse Usha M. Rodrigues, professora de Comunicação na Universidade Deakin em Melbourne, na Austrália, que tem feito investigação centrada nas redes sociais e política indiana, citada pela agência Reuters.

Nestas eleições serão eleitos 543 deputados da Câmara Baixa (Lok Sabha). É daí que sairá o novo primeiro-ministro indiano. Para evitar polémicas, o Facebook afirmou ontem que já está a alagar a sua rede verificação de factos antes das eleições gerais. Este é o mercado onde a rede criada por Mark Zuckerber tem mais utilizadores. Assim, a rede social adicionou novos parceiros, incluindo o India Today Group.

Já o WhatsApp limitou a 20 o número de mensagens que um utilizador pode retransmitir de uma vez só, mas para a Índia esse limite foi fixado em apenas cinco. No entanto, há uma preocupação crescente de que alguns elementos das campanhas consigam usar sistemas automáticos para difundir informações e fake news no WhatsApp.

Recomendadas

Amazónia: Brasil diz que disponilizou aviões e 44 mil soldados para combater incêndios

Os ministros da Defesa e do Ambiente anunciaram os planos para combater as chamas na Amazónia, que já levaram a protestos internacionais e manifestações no Brasil, devido à forma como o Presidente, Jair Bolsonaro, lidou com a crise ambiental.

Boris Johnson defende que UE deve “deixar cair” rede de segurança irlandesa para evitar um não acordo

O dispositivo previsto no tratado do ‘Brexit’ para a fronteira irlandesa, entre a parte da ilha que inclui o Reino Unido e a República da Irlanda que é membro da UE, constitui um dos principais pontos de desacordo entre Londres e Bruxelas.

União Europeia quer ouvir propostas “realistas e aceitáveis” de Johnson sobre o ‘brexit’

Tusk recordou que Johnson será o terceiro primeiro-ministro britânico com o qual aborda o “brexit”, salientando que não está disponível para colaborar numa saída sem acordo do Reino Unido da união Europeia, prevista para 31 de outubro.
Comentários