Eleitores vão ter mais uma hora para votar nas autárquicas. Horário prolonga-se até às 20h00

Para as próximas autárquicas, em setembro ou outubro, não está previsto voto antecipado em mobilidade no domingo anterior, por dificuldades logísticas com a distribuição dos boletins de voto e e com a vigilância policial das urnas.

Os eleitores vão poder votar durante mais uma hora, até às 20:00, nas próximas autárquicas, prevendo-se o voto para cidadãos confinados ou idosos em lares que estiverem no concelho onde estão recenseados, segundo uma alteração à lei aprovada esta quinta-feira.

O parlamento aprovou hoje, por maioria, alterações à lei eleitoral autárquica para responder às reivindicações dos movimentos de autarcas independentes que se queixavam de dificultar as candidaturas, que também incluem disposições para adaptar a votação nas próximas eleições locais às condições de crise epidémica, devido à covid-19.

As propostas originais foram feitas pelo PS, aceites pelas restantes bancadas, numa tentativa de resposta aos problemas identificados durante as presidenciais de janeiro, realizadas numa fase crítica da epidemia de covid-19, com a formação de filas, tanto durante o voto antecipado como no dia da votação.

Para as próximas autárquicas, em setembro ou outubro, não está previsto voto antecipado em mobilidade no domingo anterior, por dificuldades logísticas com a distribuição dos boletins de voto e e com a vigilância policial das urnas.

O que está previsto é o voto de pessoas em confinamento devido à covid-19, desde que estejam no concelho onde estão recenseados.

Uma das regras aprovadas é que, tratando-se de eleições locais, não podem ser nem os presidentes nem os vereadores a fazer a recolha dos boletins de voto em casa de quem está confinado.

Nestas eleições, as urnas vão estar mais tempo abertas, na prática, 12 horas, entre as 08:00 e as 20:00, mais uma hora do que o habitual.

O trabalho das mesas começa às 07:30, 30 minutos mais cedo, para se poder proceder à descarga dos votos confinado e dos já habituais, de detidos, pessoas hospitalizadas, militares e estudantes.

Por proposta do PS e do PSD, vai ser criada uma plataforma digital para simplificar a subscrição de candidaturas, o que pode ser feito recorrendo, por exemplo, à chave digital, e retira-se a obrigação de as assinaturas serem reconhecidas por um notário.

As alterações à lei eleitoral autárquica foram aprovadas por maioria. Votaram a favor PS, BE, CDS, PAN e as duas deputadas não inscritas, Joacine Katar Moreira (Ex-Livre) e Cristina Rodrigues (ex-PAN). O PSD, PCP e PEV votaram contra, enquanto os deputados do Chega e Iniciativa Liberal se abstiveram.

Tratando-se da lei orgânica, a votação foi eletrónica. Na votação final global, o diploma recolheu 131 votos a favor, 87 contra e duas abstenções.

Ler mais
Recomendadas

Ministra da Saúde diz que abril foi “um dos meses mais produtivos” na retoma do SNS

A ministra avançou que “o mês de abril terá sido um dos meses mais produtivos do SNS, tendo conseguido ultrapassar mais de dois milhões e meio de consultas a mais nos cuidados de saúde primários, mais de 400 mil consultas a mais na área hospitalar e mais de 32 mil cirurgias a mais na atividade hospitalar”.

Governo dá mais 11 milhões ao Garantir Cultura para projetos não empresariais

O anúncio dos serviços do Ministério da Cultura dá igualmente conta de que o programa Garantir Cultura, destinado ao tecido empresarial, com uma dotação orçamental de 30 milhões de euros, provenientes de fundos comunitários, recebeu 718 candidaturas.

Líder comunista duvida que “bazuca dos milhões” dê resposta aos problemas do país

Num comício na Praça 08 de maio, no coração da cidade de Coimbra, na apresentação dos candidatos do partido à Câmara e Assembleia Municipal, o dirigente comunista falou de um país que “andou para trás”, num período de pandemia em que “se avolumam problemas de dimensão económica e social”.
Comentários