Elisa Ferreira quer fundos de coesão a convergir com desenvolvimento ecológico e digital

“Ter uma visão [de futuro] e fazer os fundos [de coesão] convergir para materializar essa visão é, em si próprio, um objetivo absolutamente relevante”, vincou Elisa Ferreira, em Bruxelas, no encerramento da 19.ª Semana Europeia das Regiões e das Cidades.

Cristina Bernardo

A comissária europeia Elisa Ferreira defendeu esta quinta-feira a necessidade de fazer convergir os fundos de coesão com uma visão de desenvolvimento ecológico e digital sustentado e de envolver os cidadãos europeus na construção do futuro.

“Ter uma visão [de futuro] e fazer os fundos [de coesão] convergir para materializar essa visão é, em si próprio, um objetivo absolutamente relevante”, vincou Elisa Ferreira, em Bruxelas, no encerramento da 19.ª Semana Europeia das Regiões e das Cidades.

A Comissária Europeia para a Coesão e Reformas fechou a sessão de quatro dias de trabalho com a mensagem de que o que os governos europeus e nacionais farão no futuro com os fundos de coesão terá impacto nas regiões e nas cidades, sublinhando que “todos os lugares importam” e que é preciso envolver os cidadãos numa visão “de desenvolvimento equilibrado”, focada na transição verde e na transição digital.

A Europa, lembrou Elisa Ferreira, atravessa “um tempo muito especial”, com a economia em baixo, em que os fundos de coesão ajudaram “muitas empresas e pessoas a sobreviver” e a tornar os efeitos da pandemia “menos dramáticos do que se temia”.

Mas agora, sublinhou, é tempo de se “abrir à entrada de ar fresco” e construir um futuro “melhor”, com mais coesão entre todos os países.

O repto para uma Europa aberta a “novas ideias” foi também deixado pelo presidente do Comité Europeu das Regiões Europeu, Apostolos Tzitzikostas, que fechou o encontro dizendo que é tempo de a UE “tomar decisões” e implementar mudanças “no seu modelo democrático” por forma a “dar mais voz aos cidadãos” que precisam de “deixar de se sentir excluídos deste processo”.

Estas foram as mensagens finais da Semana Europeia das Regiões e das Cidades, que decorreu em Bruxelas entre segunda-feira e hoje, envolvendo um número recorde de 17.600 participantes, 4.073 encontros de trabalho em rede e 3.681 espectadores de transmissões on-line.

Entre os participantes, 1.323 pessoas responderam, ao longo da semana, a um inquérito denominado “A voz da semana”, para avaliar os seus conhecimentos sobre os temas debatidos durante a semana, que decorreu sob o lema “Juntos pela Recuperação” e que incidiu em quatro áreas: Coesão: da emergência à resiliência; Transição verde: para uma recuperação sustentável e verde; Transição digital para pessoas e Envolvimento dos cidadãos para uma recuperação inclusiva, participativa e justa.

A Semana Europeia das Regiões e das Cidades é organizada pelo Comité Europeu das Regiões e pela Comissão Europeia.

Recomendadas

Crise dos combustíveis deverá levar a subida de preços dos serviços até 15% em Portugal (com áudio)

O ajustamento em alta acumula-se ao aumento dos preços na ordem dos 5%, atribuído à retoma económica e ao crescimento da procura no período de desconfinamento em Portugal.

OE2022. UTAO alerta para riscos associados à pandemia e regras de Bruxelas

A unidade técnica lembra que as regras orçamentais de Bruxelas foram suspensas na sequência da pandemia, mas um levantamento desta suspensão pode significar que a “consolidação que não se faça nas condições menos exigentes de 2022 terá que ser feita com menos graus de liberdade em 2023 e anos seguintes”.

Financiamento das administrações públicas recua em agosto para 6,2 mil milhões de euros

Este valor em agosto resulta do financiamento em 11,7 mil milhões junto dos bancos residentes, que é compensado pelas rubricas relativas à relação com o restante sector financeiro e com o exterior, em que as administrações públicas nacionais são financiadoras em 3,4 e 2,1 mil milhões de euros, respetivamente.
Comentários