Em 2040, a obesidade vai representar 20% dos gastos com cuidados de saúde a nível mundial

Tendo como pano de fundo o 22º Congresso Português de Obesidade, organizado pela Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade (SPEO), o Saúde Online falou com o Prof. Phil McEwan que participou numa sessão dedicada ao “impacto económico da Obesidade”, debruçando-se sobre o peso desta doença nas contas de um sistema de saúde

A prevalência de obesidade tem vindo a aumentar não só em Portugal, mas no mundo inteiro, representando um enorme fardo na saúde, pelas várias patologias associadas, como as doenças cardiovasculares, diabetes, doenças respiratórias e cancro, e na economia, sobretudo se considerarmos a diminuição da produtividade. Phil McEwan, professor e diretor técnico do Center for Health Economics, da Swansea University e diretor administrativo da HEOR Ltd, consultora que atua nas áreas do HIV, oncologia, diabetes e doenças infeciosas, começou a sua apresentação neste congresso por referir que, em 2040, o custo global com os cuidados de saúde irá aumentar entre cerca de 7 a 18 triliões de dólares, sendo 20% destinado ao tratamento da obesidade e das comorbilidades a ela associadas.

Ler artigo completo aqui

Recomendadas

Rui Rio considera que há margem para acordo com PS na Lei de Bases da Saúde

O presidente do PSD considerou esta quarta-feira haver margem para um acordo com o PS para uma nova Lei de Bases da Saúde, estando os sociais-democratas a identificar as propostas que considera essenciais, nas quais inclui as PPP.

Estudo: Trabalhar um dia por semana é o melhor para uma boa saúde mental

O estudo das Universidades de Cambridge e Salford revelou que o risco de problemas relacionados com a saúde mental diminui até 30% quando passam do desemprego para um trabalho remunerado de oito horas. O estudo concluiu que trabalhar mais do que oito horas por semana não tem impacto significativo nos trabalhadores.

Opção pela não vacinação provoca crise global. Mais de 320 mil novos casos de sarampo no espaço de um ano

O medo e a desinformação foram apontadas como as principais causas para os pais não vacinarem os filhos. Entre os países mais afetados a nível global, encontra-se um país europeu: França, onde foram registados mais de dois mil casos apenas num ano.
Comentários