Em 2040, a obesidade vai representar 20% dos gastos com cuidados de saúde a nível mundial

Tendo como pano de fundo o 22º Congresso Português de Obesidade, organizado pela Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade (SPEO), o Saúde Online falou com o Prof. Phil McEwan que participou numa sessão dedicada ao “impacto económico da Obesidade”, debruçando-se sobre o peso desta doença nas contas de um sistema de saúde

A prevalência de obesidade tem vindo a aumentar não só em Portugal, mas no mundo inteiro, representando um enorme fardo na saúde, pelas várias patologias associadas, como as doenças cardiovasculares, diabetes, doenças respiratórias e cancro, e na economia, sobretudo se considerarmos a diminuição da produtividade. Phil McEwan, professor e diretor técnico do Center for Health Economics, da Swansea University e diretor administrativo da HEOR Ltd, consultora que atua nas áreas do HIV, oncologia, diabetes e doenças infeciosas, começou a sua apresentação neste congresso por referir que, em 2040, o custo global com os cuidados de saúde irá aumentar entre cerca de 7 a 18 triliões de dólares, sendo 20% destinado ao tratamento da obesidade e das comorbilidades a ela associadas.

Ler artigo completo aqui

Recomendadas

SNS gasta 2 milhões a enviar para o estrangeiro doentes que Santa Marta podia operar

Hospital de Santa Marta investe em formação para poder operar doentes com hipertensão pulmonar tromboembólica. No entanto, ainda não foi reconhecido como centro de referência, o que obriga o SNS a enviar doentes para o Reino Unido.

Associação Portuguesa de Hospitalização Privada defende “orçamentação plurianual” para a Saúde

O presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada, Óscar Gaspar, defendeu hoje que a Saúde deve ter uma “orçamentação plurianual” e que a lei de meios da Saúde deve indicar quais são as fontes de financiamento disponíveis.

Ministra da Saúde diz que Lei de Bases da Saúde está nas mãos dos grupos parlamentares

“O Governo entregou a sua proposta de Lei de Bases à Assembleia da República em dezembro e , neste momento, o trabalho que se faz é um trabalho que envolve os grupos parlamentares”, declarou hoje Marta Temido. Poucos minutos antes, Marcelo Rebelo de Sousa afirmara que este “não é o momento ideal” para discutir a Lei de Bases da Saúde.
Comentários