Em 46 anos, perdeu-se 68% da biodiversidade mundial, alerta relatório

O novo relatório “Planeta Vivo” 2020, da AP/WWF, revela que se registou um aumento da perda da biodiversidade, com um declínio de 68% das populações globais de mamíferos, pássaros, anfíbios, répteis e peixes entre 1970 e 2016.

O consumo excessivo por parte dos seres humanos, o aumento da pegada ecológica, o crescimento populacional e a agricultura intensiva estão a resultar numa destruição da biodiversidade e na degradação dos ecossistemas a um ritmo avassalador. Atualmente, a espécie humana está a usar cerca de 56% da biocapacidade do planeta.

Feitas as contas, registou-se um declínio médio de 68% das populações globais de mamíferos, pássaros, anfíbios, répteis e peixes, entre 1970 e 2016. Há dois anos, o número situava-se nos 60% e, em 2012, de apenas 28%, o que mostra como o processo tem acelerado.

O valor é ainda mais assustador se olharmos à lupa para as sub-regiões tropicais do continente americano: o declínio destes animais chega aos 94%, “a maior queda observada em qualquer parte do mundo”. Já sobre os ecossistemas de água doce, concluiu-se que “quase uma em cada três espécies” está ameaçada de extinção, e a média do declínio de populações analisadas é de 84%, “o equivalente a 4% ao ano desde 1970”, refere o relatório Relatório “Planeta Vivo 2020” (Living Planet Report 2020) apresentado esta quinta-feira em Portugal, pela Associação Natureza Portugal em colaboração com a WWF (ANP/WWF).

E por que é que isso interessa? “É importante porque a biodiversidade é fundamental para a vida humana na Terra, e as evidências são inequívocas: ela está a ser destruída por nós a um ritmo sem precedentes na história”, lê-se no documento que é revelado de dois em dois anos. Porém, não só é importante por causa dos impactos no ambiente, mas também por causa dos riscos para a saúde humana.

Desde a revolução industrial, as atividades humanas têm vindo a destruir e a degradas cada vez mais as florestas, as pastagens, os pântanos e outros ecossistemas importantes, ameaçando o bem-estar humano. Segundo o relatório, 75% da superfície terrestre sem gelo da Terra já foi significativamente alterada, a maioria dos oceanos está poluída , e mais de 85% da área de pântanos foi perdida.

Pegada ecológica ultrapassou capacidade regenerativa do planeta

Graças aos desenvolvimentos do setor tecnológico e das práticas de gestão da terra, a biocapacidade global aumentou cerca de 28% nos últimos 60 anos. No entanto, isso pode ser uma superestimativa porque as estatísticas da ONU não incluem perdas subestimadas, como a erosão do solo, o esgotamento das águas subterrâneas e a desflorestação. Ainda assim, esse aumento não acompanhou o crescimento do consumo agregado: a pegada ecológica humana, também estimada a partir de estatísticas da ONU, aumentou cerca de 173% no mesmo período e agora excede a biocapacidade do planeta em 56%.

Dado o estilo de vida que é adotado a nível mundial, seriam necessários 1,6 mais recursos do que a Terra pode gerar”, afirmou Catarina Grilo da ANP/WWF na apresentação do relatório.

Se a nível mundial os dados já preocupam, quando se olha para Portugal a situação agrava-se: “Os portugueses precisam de 2,52 planetas para manter o seu actual estilo de vida”, segundo o relatório da WWF, o que é mais do que o já mau valor do relatório de 2018, quando precisaríamos de 2,23 planetas. “Olhando para a pegada ecológica, vemos que Portugal subiu para a 46.ª posição da lista de países com maior pegada, quando em 2018 estava na 66.ª posição. A recuperação económica entre 2014 e 2016 e o consequente aumento do consumo e de turistas contribuem para isto”, referiu a responsável da ANP/WWF.

Perante esta situação que parece tornar-se cada vez mais irremediável, a WWF destaca que um dos principais desafios atuais é “transformar as práticas agrícolas e de pesca, muitas das quais não são hoje sustentáveis, em actividades que forneçam alimentação nutritiva e acessível, enquanto protegem e conservam a biodiversidade”.

Isto significa produzir de forma mais sustentada – a actividade é responsável por 80% das desflorestação a nível mundial e por 70% do consumo de água doce, segundo os dados do relatório -, e consumir menos e de forma mais consciente, com um travão a fundo ao desperdício alimentar. Esse fator têm um contributo importante também para as alterações climáticas. “São responsáveis por pelo menos 6% do total dos gases com efeito de estufa emitidos, três vezes mais do que as emissões globais da aviação”, explica o relatório.

 

Ler mais
Recomendadas

Nasce na Universidade de Coimbra drone ‘low cost’ para combater lixo marinho

Segundo os investigadores, estas tecnologias permitem identificar, de forma rápida, determinadas categorias de lixo marinho que aparecem na costa portuguesa.

Corticeira Amorim integra grupo de subscritores do act4nature Portugal

Esta é uma ação lançada pelo Business Council for Sustainable Development Portugal (BCSD) que pretende sensibilizar, mobilizar e incentivar as empresas a proteger, promover e restaurar a biodiversidade.

Matos Fernandes participa em debates sobre sustentabilidade e ‘smart cities’

Esta iniciativa insere-se no âmbito do ciclo de conferências ‘Empowering Sustainable Growth’.
Comentários