EMA desaconselha vacina da AstraZeneca a pessoas com condição sanguínea rara (com áudio)

Esta é a segunda recomendação preventiva por parte da EMA em relação à vacina. As vacinas da Pfizer, Moderna e Johnson & Johnson também estão a ser avaliadas devido aos casos de miocardite e pericardite.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) desaconselhou, esta sexta-feira, o uso da vacina AstraZeneca em pessoas com histórico de hemorragia rara como forma de prevenir uma reação adversa ao fármaco.

Esta é a segunda recomendação preventiva por parte da EMA em relação à vacina. No mês passado, o regulador tinha recomendado que a segunda dose não fosse administrada a pessoas com problemas de coagulação no sangue.

De acordo com a notícia avançada pela agência “Reuters”, a recomendação surge na sequência de uma investigação que está a analisas casos de inflamação cardíaca após a inoculação com todas as vacinas.

O comité de segurança da EMA referiu na sua avaliação que a síndrome de derrame capilar, também conhecida como doença de Clarkson, deve ser adicionada à bula da AstraZeneca como um novo efeito colateral. Trata-se de uma condição na qual o sangue derrama do menor dos vasos para os músculos e cavidades do corpo, e é caracterizada por inchaço e queda da pressão arterial.

A “Reuters” informa que os casos começaram a ser analisados em abril pela EMA, que também está a conduzir uma investigação para casos de miocardite e pericardite após a inoculação com as vacinas da AstraZeneca, Pfizer, Moderna e Johnson & Johnson.

Recomendadas

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.

Detalhes são importantes na continuação de acordo tributário do G7, dizem especialistas

No passado fim de semana, os países que integram o G7 alcançaram um acordo sobre a reforma do sistema tributário mundial que prevê uma taxa de imposto mínima de 15% sobre as empresas e que as multinacionais paguem impostos nos países onde obtêm receitas e lucram e não apenas naquele (s) onde estão sedeadas.

PremiumPatrões e sindicatos: resposta à crise não foi suficiente

Desde a burocracia excessiva no acesso aos apoios à insuficiência das medidas para proteger rendimentos e empresas, tanto patrões, como sindicatos apontam falhas no primeiro ano de João Leão à frente das Finanças portuguesas.
Comentários