85% das cidades mundiais assume enfrentar riscos ambientais, mas só metade avalia vulnerabilidades

Estudo da CDP – Disclosure Insight Action inclui Lisboa, Porto, Guimarães, Braga e Cascais entre as cidades expostas a riscos ambientais. A nível global, 40% faz avaliações para adequar capacidade de resposta.

Lisboa, Porto, Guimarães, Braga e Cascais estão entre as cidades mundiais que já estão a ser afetadas pelas alterações climáticas, segundo a organização CDP – Disclosure Insight Action. Num estudo divulgado esta terça-feira, a plataforma de divulgação ambiental conclui que apenas metade das cidades mundiais está a analisar as vulnerabilidades para determinar a capacidade de resposta aos riscos.

A CDP explica que das 620 cidades a nível global que reportaram informações ambientais, 85% já enfrentam riscos nesta área. No entanto, destas 40% concluíram avaliações de vulnerabilidade.

Entre os três principais riscos ambientais a nível global as inundações (71%), calor extremo (61%) e secas (36%) lideram a tabela. “Os riscos sociais reportados incluem aumento do risco para populações já vulneráveis (40%), aumento da procura de serviços públicos, incluindo saúde (33%) e aumento da incidência e prevalência de doenças (25%)”, explica a CDP.

“As cidades que realizaram avaliações de vulnerabilidade têm duas vezes mais hipóteses (2,7x) de reportar riscos a longo prazo e estão a executar, em média, quase seis vezes (5,7x) tantas ações de adaptação do que as cidades sem avaliações de vulnerabilidade, o que significa que  estão melhor preparadas para melhorar a resiliência”, explica o estudo.

Entre as cidades portuguesas analisadas, várias reportam riscos ambientais, mas também fazem avaliações de vulnerabilidades. Guimarães é a que apresenta maior número de riscos identificados: ondas de calor, deslizamento de terras, vento severo, condições extremas de inverno, tempestades, inundações fluviais e incêndios florestais.

Também para Lisboa e Cascais são identificados riscos. A capital portuguesa está exposta a ondas de calor, inundações, seca, vento severo e tempestades, enquanto Cascais pode sofrer ondas de calor, seca, inundações fluviais, incêndios florestais e inundações costeiras.

Na cidade do Porto os riscos podem chegar de inundações costeiras, deslizamentos de terra, ondas de calor, aumento de tempestades e inundações, enquanto Braga está exposta a risco de inundações, inundações fluviais, dias de calor extremo e vento severo.

“Das inundações aos incêndios florestais, os impactos das alterações climáticas já estão a ser sentida nas maiores cidades do mundo”, refere Kyra Appleby, diretor global da área de cidades, Estados e regiões da CDP. “É vital que as cidades ajam para terem resiliência e proteger os cidadãos dos impactos das alterações climáticas. Todas as cidades devem realizar avaliações abrangentes de vulnerabilidade. Só então as cidades poderão planear o novo normal causado pelas alterações climáticas”, considera.

Cidades portuguesas que fazem avaliações de vulnerabilidades: 

Águeda
Ilhavo
Câmara de Lobos
Cascais
Castelo Branco
Lisboa
Porto
Faro
Guimarães
Mirandela
Montalegre
Santarém
Torres Vedras

(Atualizado com a lista das cidades portuguesas que tomam medidas para avaliação de vulnerabilidades)

Ler mais
Recomendadas

Doca de Santo Amaro renova Bandeira Azul pelo quinto ano consecutivo

A APL – Administração do Porto de Lisboa, que gere este espaço ribeirinho junto ao Tejo, garante que “teve desde sempre como meta criar, desenvolver e potenciar condições e formatos que acompanham a atividade náutica, nomeadamente no melhoramento das condições e serviços disponibilizados aos utentes das suas docas de recreio”.

António Bernardo: “Lisboa terá condições para ser a capital europeia da economia sustentável”

Responsável pela Roland Berger, em exclusivo ao Jornal Económico, considera que o novo pacote de apoios da UE será uma oportunidade única para destacar Lisboa na captação de ‘novas’ startups.

Quercus classifica 381 praias com Qualidade de Ouro em 2020. Mais seis do que em 2019

Analisando por regiões, verifica-se que a região Tejo e Oeste voltou a ser a que contabilizou mais praias com “Qualidade de Ouro (102), seguida da Região do Algarve (76) e da Região Norte (66). Em comparação com o ano de 2019, na Região Tejo e Oeste verificou-se uma subida de 12 atribuições deste galardão.
Comentários