Emigração britânica para países da UE cresceu 30% desde o referendo do Brexit

A Alemanha foi um dos Estados-membros da União Europeia que mais terão beneficiado da emigração dos britânicos. Nos últimos quatro anos, 31.600 britânicos naturalizaram-se com cidadania germânica.

Stefan Wermuth / Reuters

O número de cidadãos britânicos que emigraram para outros países da União Europeia (UE) cresceu 30% o referendo do Brexit, realizado em 23 de junho de 2016, de acordo com uma análise do Centro de Ciências Sociais de Berlim aos dados do Eurostat e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico, citados pelo “The Guardian” esta terça-feira, 4 de agosto.

De acordo com a análise, em média, 73.642 britânicos saíram do Reino Unido para outros países da UE entre 2016 e 2018, quando entre 2008 e 2015 apenas tinham saído 56.832 britânicos.

Dos 30% observados, 15% deixaram o Reino Unido nos primeiros três meses subsequentes ao referendo de 2016. Os dados também revelam um aumento de 500% de britânicos que emigraram e depois assumiram a cidadania num outro Estado-membro da UE.

A Alemanha foi um dos Estados-membros da União Europeia que mais terão beneficiado da emigração dos britânicos. Nos últimos quatro anos, 31.600 britânicos naturalizaram-se com cidadania germânica, o que corresponde a um aumento de 2.000% de cidadãos britânicos com nacionalidade alemã.

De acordo com o co-autor da análise citada pelo jornal britânico, Daniel Auer, investigador da Universidade de Oxford em Berlim, os aumentos migratórios verificados “são de uma magnitude esperada quando um país é atingido por uma grande crise económica ou política”.

Relacionadas

França avisa que um acordo para o Brexit é possível, mas não a “qualquer preço”

O Governo francês disse que não aceitará “um acordo a qualquer preço” e acrescentou “é melhor não ter nenhum acordo do que ter um acordo mau”.

Brexit. Cerca de 49% dos eleitores, acredita que Rússia interferiu no refendo

O Comité de Inteligência e Segurança britânico argumenta que o Reino Unido “subestimou muito” a ameaça russa. 49% dos eleitores considera que houve interferência russa no referendo do Brexit e 47% defende que o mesmo voltou a aconter nas eleições de dezembro.

Acordo para o Brexit? Até ao final do ano é “pouco provável”, diz Barnier

Barnier, sublinhou que “poucos progressos” foram alcançados em duas questões cruciais: as condições de uma concorrência equitativa e as pescas.
Recomendadas

OMS e Instituto Pasteur ajudam Cabo Verde na sequenciação genómica da Ómicron

A presidente do INSP avançou que o país já tem kits de testes que permitem detetar a circulação de algumas variantes de preocupação, incluindo a Ómicron, mas está igualmente em concertação com Instituto Pasteur de Dacar, para rastrear estas e outras variantes que possam vir a surgir.

“Brexit? Reino Unido está a incumprir claramente com coisas que assinou”, realça Francisco Seixas da Costa

“Há aqui uma tensão que tem a ver claramente com o fim do Brexit, tem a ver com a questão da liderança na Europa que nunca desapareceu nesta relação entre a França e o Reino Unido”, destacou o embaixador Francisco Seixas da Costa no programa “A Arte da Guerra”, da plataforma multimédia JE TV.
médicos saúde pública

Covid-19. Crianças “não estão isentas de ter doença grave”, diz especialista

Em entrevista ao Jornal Económico (JE) e quando questionado sobre a vacinação das crianças, Ricardo Mexia respondeu que: “A indicação que temos é de que as vacinas são seguras e eficazes”.
Comentários