Emprego em Portugal cresce mais do dobro da Zona Euro

Portugal registou a sexta taxa de crescimento de emprego mais alta, entre os 19 países da Zona Euro, com um crescimento homólogo de 2.4%.

Em Portugal, o emprego cresceu 2.4% no quarto trimestre de 2016, mais do dobro face à Zona Euro, que teve um crescimento de apenas 1.1% e da UE, onde o emprego cresceu 1%. Este crescimento homólogo registado é considerado o sexto mais alto entre os 19 países europeus: Malta, Irlanda, Eslováquia, Chipre e Luxemburgo registaram as cinco taxas mais elevadas.

Trata-se do quarto trimestre (consecutivo) de aumento do emprego em território nacional. No primeiro trimestre o aumento foi de 1,1%, no segundo trimestre foi aumentou 0.8% e no terceiro trimestre 2.2%. Fechando o ano nos 2,4%.

Na comparação em cadeia, nos últimos três meses de 2016, o emprego em Portugal cresceu 0.4%.  Evidenciando um abrandamento no ritmo de crescimento do terceiro trimestre (1,3%).

 

É estimado, ainda, pelo Eurostat, que 232.9 milhões de homens e mulheres estavam empregados na UE28 (o nível mais alto já registado) no quarto trimestre de 2016, dos quais 153.9 milhões na EA19, o que representa o nível mais elevado desde o terceiro trimestre de 2008. Também esses números são dessazonalizados.

Ler mais

Recomendadas

CFP: Impacto de ajuda à TAP nas finanças públicas depende da forma de intervenção

A instituição presidida por Nazaré da Costa Cabral nota que entre os apoios com impacto na dívida pública e eventualmente no saldo orçamental está eventuais injeções de capital que o Estado português possa vir a ter de efetuar em empresas públicas ou participadas.

CFP é a instituição mais pessimista: Prevê contração de 11,8% da economia no cenário mais adverso

Conselho das Finanças Públicas prevê no cenário base uma recessão de 7,5% da economia portuguesa este ano e no cenário severo de 11,8%, antes da retoma em 2021. Desemprego pode disparar para entre 11% e 13,1%. “A intensidade dos seus efeitos no segundo semestre” será determinante, diz.

Défice pode chegar aos 9,3% este ano e peso da dívida pública aos 141,8%, projecta CFP

A instituição presidida por Nazaré da Costa Cabral prevê um défice de 6,5% do PIB este ano, no cenário base, mas que poderá subir para 9,3% no cenário severo. A ação dos estabilizadores automáticos explica mais de metade do agravamento do saldo projetado para este ano, assinala.
Comentários