Emprego em Portugal cresce mais do dobro da Zona Euro

Portugal registou a sexta taxa de crescimento de emprego mais alta, entre os 19 países da Zona Euro, com um crescimento homólogo de 2.4%.

Em Portugal, o emprego cresceu 2.4% no quarto trimestre de 2016, mais do dobro face à Zona Euro, que teve um crescimento de apenas 1.1% e da UE, onde o emprego cresceu 1%. Este crescimento homólogo registado é considerado o sexto mais alto entre os 19 países europeus: Malta, Irlanda, Eslováquia, Chipre e Luxemburgo registaram as cinco taxas mais elevadas.

Trata-se do quarto trimestre (consecutivo) de aumento do emprego em território nacional. No primeiro trimestre o aumento foi de 1,1%, no segundo trimestre foi aumentou 0.8% e no terceiro trimestre 2.2%. Fechando o ano nos 2,4%.

Na comparação em cadeia, nos últimos três meses de 2016, o emprego em Portugal cresceu 0.4%.  Evidenciando um abrandamento no ritmo de crescimento do terceiro trimestre (1,3%).

 

É estimado, ainda, pelo Eurostat, que 232.9 milhões de homens e mulheres estavam empregados na UE28 (o nível mais alto já registado) no quarto trimestre de 2016, dos quais 153.9 milhões na EA19, o que representa o nível mais elevado desde o terceiro trimestre de 2008. Também esses números são dessazonalizados.

Ler mais

Recomendadas

Angola e Zâmbia assinam memorando para a construção de pipeline multiprodutos

Segunda-feira, 19 de abril, será assinado em Luanda o memorando de entendimento sobre uma das mais importantes infraestruturas que vão ser construídas em Angola, a partir do porto de Lobito, na província de Benguela, para fazer chegar até à Zâmbia, um pipeline multiuso para transporte de produtos energéticos e combustíveis.

Fundos podem ser “empurrão” europeu para o futuro das cidades

Sempre com a sustentabilidade na mira, a Comissão Europeia pretende promover, como parte da recuperação pós-pandemia, alterações para melhorar a qualidade e condições de vida das populações urbanas.

Patrões defendem que Estado deve recorrer ao BEI para reestruturar dívida das empresas

Em entrevista à “Antena 1/Jornal de Negócios”, António Saraiva revelou que a CIP vai apresentar um pacote de medidas ao Governo nos próximos 15 dias para apoiar as empresas depois do fim das moratórias em setembro.
Comentários