António Costa: “Emprego, emprego, emprego” é o objetivo

O primeiro-ministro encerrou o congresso da Juventude Socialista, na Póvoa do Varzim, esta tarde.

REUTERS/Adriano Machado

“Emprego, emprego, emprego” é “o grande objetivo da nossa política económica”, disse esta tarde o primeiro-ministro, António Costa, no congresso da Juventude Socialista, na Póvoa do Varzim.

“O balanço que podemos fazer deste primeiro ano é positivo. Cumprimos o que nos comprometemos em matéria de reposição de rendimentos, vamos cumprir em matéria de redução do défice, estamos a cumprir o que nos comprometemos em matéria de criação de postos de trabalho e em redução do desemprego. E é com particular satisfação que registo que o estrato etário onde o desemprego mais baixou foi entre o desemprego jovem”, salientou António Costa.

Porém, o primeiro-ministro lembrou que são ainda 100 mil os jovens desempregados, uma situação que não pode deixar ninguém tranquilo.

António Costa referiu que quer mais empregos num setor que tem sido diabolizado, como o da construção civil.

No seu discurso na Póvoa do Varzim, o primeiro-ministro sublinhou ainda que quer ver os centros das cidades habitados e de preferência por jovens. “É necessário dar prioridade à reabilitação mas também dar prioridade à criação de mecanismos de arrendamento acessível para que seja possível às novas gerações tomarem conta das nossas cidades”, defendeu.

O congresso elegeu como secretário- geral da Juventude Socialista o deputado Ivan Gonçalves.

 

Recomendadas

Levantamento de restrições e valorização da libra indicam recuperação do turismo britânico em Portugal

A fintech Ebury, especializada em pagamentos internacionais, diz que, tendo em conta a preferência dos portugueses por destinos de praia, os destinos mais vantajosos em termos cambiais são o Dubai (Emirados Árabes Unidos), as Caraíbas e Zanzibar, na Tanzânia.

Região do Alentejo espera aumentar produção de vinho até 10% este ano

Segundo as previsões da Universidade do Porto, a região vitivinícola do Alentejo estima aumentar a produção para 120 milhões de litros de vinho, contra os 113 milhões de litros produzidos no ano passado, o que já representou uma subida de 15% face a 2019.

Associações deixam comissão sobre estratégia dos cereais e culpam Governo

Em causa está a “evidente falta de compromisso” do Ministério da Agricultura em aplicar esta estratégia, sobretudo, após ter remetido às confederações um documento relativo às decisões sobre os pagamentos diretos 2022 da Política Agrícola Comum (PAC).
Comentários