Empresa francesa de metalomecânica conta criar 140 pontos de trabalho em Chaves

A empresa francesa de metalomecânica Metalome vai iniciar a produção em Chaves a 11 de novembro e tem como objetivo criar até 140 postos de trabalho num investimento de 7,5 milhões de euros, disse esta quarta-feira a responsável Sara Boaventura.

À margem do roteiro promovido hoje pela Câmara de Chaves, no distrito de Vila Real, a assinalar os dois anos de mandato do atual executivo camarário, Sara Boaventura, daquela empresa com investidores franceses, explicou que numa primeira fase estarão a trabalhar 25 pessoas, mas com perspetivas de crescimento.

“Neste momento vamos arrancar com instalações provisórias, mas o objetivo é mudar para um espaço com 50 mil metros quadrados, com uma implantação física de 10 mil metros quadrados”, contou a responsável da empresa em Portugal.

Na segunda fase do projeto, os postos de trabalho criados podem atingir os 140 trabalhadores num investimento total de 7,5 milhões de euros.

A multinacional Metalome transforma produtos metalúrgicos planos de média e grande espessura e de grandes dimensões.

A empresa produz peças para grandes empresas, como a Siemens, Alstom (conceção de vagões de metro), Renault Truck, MAN, Irisbus (Construção de Camiões e Autocarros), Kuhn (Construção de tratores agrícolas) ou Toyota, entre outros.

Sara Boaventura explicou que a fábrica inicialmente esteve perto de se instalar em Viseu, onde “o recrutamento é mais fácil”, mas disse ter convencido o investidor francês a apostar “no ‘know how’ e humildade das pessoas de Chaves”.

“Com o apoio do município, conseguimos convencer o investidor a escolher instalar-se em Chaves”, atirou.

Com início de produção previsto para dia 11 de novembro, atualmente há quatro empregados a trabalhar e a terem formação na fábrica base, em França.

Um dos aparelhos já instalado na fábrica que se situa no Mercado Abastecedor de Chaves é um robô de soldadura “único em Portugal” pelo tamanho da mesa para os trabalhos.

“Permite trabalhar quatro peças ao mesmo tempo e, assim, aumentar a produtividade”, assinalou.

Segundo Sara Boaventura, uma das prioridades é dar oportunidade aos “trabalhadores da região que pretendam regressar à terra natal”, não excluindo a hipótese de ter de recrutar em outras zonas do país quando a fábrica estiver em máxima produção.

Segundo os números divulgados pela autarquia de Chaves, durante o roteiro promovido hoje para assinalar os dois anos de mandato, foram já garantidos cerca de 150 postos de trabalho, num investimento de 17 milhões de euros.

Estão ainda conquistados mais 446 postos de trabalho e perto de 30 milhões de euros de investimento até ao final do mandato, em 2021.

Ler mais
Recomendadas

Parlamento ouve hoje presidente do Fundo de Resolução sobre nova injecção no Novo Banco

Luís Máximo dos Santos vai nesta quarta-feira, 26 de fevereiro, à Assembleia da República esclarecer as questões levantadas pelo Bloco de Esquerda relativas a uma “perspetiva de nova e relevante injeção de dinheiro do Estado”. Bloquistas querem ainda saber o acompanhamento que tem sido feito de todos os processos de venda de crédito malparado.

Acusação a Ricardo Salgado está parada devido a questões processuais

O processo em que o Banco de Portugal investiga o papel de Ricardo Salgado na sociedade criada para financiar o “buraco” no Grupo Espírito Santo está “preso” porque ainda não levantado o sigilo profissional de um advogado. Ordem dos Advogados tem palavra decisiva.

Santa Casa assina contrato de 3,7 milhões com fornecedor norte-americano de “raspadinhas”

A IGT Global Solutions já tinha sido escolhida em 2016 para o fornecimento de bilhetes de lotaria instantânea durante três anos, num concurso público no valor de 28,5 milhões de euros.
Comentários