Empresa japonesa pagará parte dos salários em bitcoin

Medida entrará em vigor em fevereiro, e os trabalhadores da GMO poderão receber entre cerca de 74 euros e 748 euros na criptomoeda.

Reuters/Benoit Tessier

A japonesa GMO vai dar aos seus funcionários a possibilidade de receberem parte do seu salário em bitcoin.

A medida entrará em vigor em fevereiro, e os trabalhadores da GMO poderão receber entre cerca de 74 euros e 748 euros na criptomoeda. A GMO pretende assim “promover o uso ativo da moeda virtual” e “aumentar o conhecimento” dos seus funcionários “sobre este tipo de divisas”.

A GMO, uma empresa de serviços de internet, detém também uma “mina” de bitcoin, sendo assim esta medida uma forma de alimentar essa parte do seu negócio.

 

Relacionadas

Respostas Rápidas: O que é preciso saber sobre a entrada da bitcoin em bolsa

A criptomoeda começou este domingo à noite a negociar no mercado de futuros de Chicago e está prestes a entrar em outras duas bolsas. Veja aqui as implicações e mudanças que Wall Street vai trazer à bitcoin.

Bitcoin dispara mais de 25% no dia de estreia em bolsa

Os futuros da criptomoeda chegaram a disparar 25% para os 18.500 dólares ao início da manhã, obrigando a gestora deste mercado a suspender por duas vezes a cotação para aliviar a volatilidade.

Bitcoin: Apenas mil pessoas detém 40% do mercado mundial

“Como em qualquer categoria de ativos, grandes proprietários individuais e corporativos podem e conspiram para manipular preços”, alertam os especialistas.

Bitcoin é uma das maiores ameaças ao mercado em 2018, diz Deutsche Bank

O Deutsche Bank publicou uma apresentação sobre moedas digitais e diz que “classificamos as criptomoedas como um investimento de risco porque os aumentos de preços recentes são, em parte, baseados em especulações. A volatilidade é muito alta e atingiu 80% e o setor geralmente não está regulado … existe um risco apreciável de grandes perdas”.
Recomendadas

PremiumEugénio Rosa: “A substituição da administração do Banco Montepio é necessária”

“Sou totalmente contra uma administração que caia de paraquedas no Banco Montepio”, defende Eugénio Rosa, líder da lista C, candidata às eleição dos órgãos associativos do Montepio Geral.

PremiumPedro Corte-Real: “Há garantias do primeiro-ministro que o Montepio ia ser apoiado”

Pedro Corte-Real, que lidera a lista B para a presidência da Associação Mutualista Montepio Geral, defende que o Estado deve ajudar o Banco Montepio e diz que “esse apoio ainda não foi dado por falta de credibilidade das direções”.

Goldman Sachs quer aumentar diversidade étnica e de género nas cotadas do S&P 500 e do FTSE 100

A Goldman Sachs Asset Management diz que quer estar na vanguarda para impulsionar uma maior diversidade e inclusão nos conselhos de administração em todo o mundo.
Comentários