Empresa portuguesa forneceu estrutura de proteção a Chernobyl

Fundada em 1971, a Metalogalva emprega 650 pessoas, tem operações em 11 países, um volume de negócios de 80 milhões de euros e exporta 72% da sua produção.

A empresa portuguesa Metalogalva foi uma das fornecedoras da solução para a estrutura de proteção ao reator nuclear que explodiu na central nuclear de Chernobyl, a 26 de abril de 1986.

A Metalogalva, do grupo Vigent, é a empresa responsável pela produção de torres de 30 metros com coroa móvel para o interior e exterior desse arco e também pelo fornecimento de colunas de iluminação pública para a área circundante.

Essa estrutura “foi inaugurada recentemente e (…) pretende trazer a tão desejada esperança de segurança nuclear na Europa”, sublinha um comunicado da Metalogalva.

De acordo com os responsáveis da empresa, “trinta anos passados sobre o desastre de Chernobyl, e ao fim de longos anos de obra, ficou finalizada, no local, aquela que se diz ser a maior estrutura amovível construída em terra”.

Trata-se de um arco em aço que cobre o reator e o chamado “sarcófago” criado a seguir ao acidente.

“Esta construção tem como objetivo proteger das fugas de radiações da central nuclear e o investimento ascende aos 1.500 milhões de euros”, adianta o referido comunicado.

O metro de Dublin é outro exemplo recente de projeto de internacionalização da Metalogalva, em que a empresa portuguesa é o fornecedor exclusivo de catenárias para esta fase do metro de superfície da capital irlandesa, com inauguração prevista para junho.

Fundada em 1971, a Metalogalva emprega 650 pessoas, tem operações em 11 países, um volume de negócios de 80 milhões de euros e exporta 72% da sua produção.

A Metalogalva é a mais antiga empresa do Vigent Group, reclamando ser líder nacional em engenharia e proteção de aço e um dos principais ‘players’ europeus na produção de colunas de iluminação pública e de outras estruturas para transporte de energia, renováveis, telecomunicações, rodovias, ferrovias e galvanização a quente.

A empresa conta atualmente com unidades industriais em Portugal, Ucrânia e Argélia e tem participado em projetos internacionais de grande relevância.

 

Nos seus planos de crescimento, a Metalogalva prevê investir quatro milhões de euros só em 2017 e chegar aos 100 milhões de euros de volume de negócios até 2019.

A Metalogalva faz parte da holding Vigent Group, “um grupo que tem sido capaz de impulsionar fortemente o crescimento das suas empresas, dentro e fora do país, levando a que mais de 50% da sua atividade seja desenvolvida no ou para o mercado externo”.

O volume de negócios do Vigent Group tem vindo a aumentar, sendo que em 2016 subiu 19% em relação ao ano anterior, atingindo um total de 230 milhões de euros, dos quais cerca de 80 milhões de euros são da responsabilidade da Melalogalva.

Ler mais
Relacionadas

Chernobyl: De ‘drone’ sobre o pior acidente nuclear da história

Trinta e um anos depois do maior acidente nuclear da história, um drone sobrevoou e filmou uma área que ainda não é 100% segura e cujo acesso é restrito.

Cápsula do tempo: A tragédia de Chernobyl

Há 31 anos, a antiga União Soviética acordou para aquele que se tornaria o pior desastre nuclear da história da humanidade.
Recomendadas

A organização orientada ao cliente

Para ser orientada ao cliente, uma empresa não precisa de criar novas competências técnicas, apenas de se reorganizar para criar vantagens competitivas sustentáveis face à concorrência.

PremiumTomás Correia impugna condenação do Banco de Portugal

O atual presidente da Associação Mutualista Montepio Geral entregou no fim de maio no Tribunal de Santarém a ação de impugnação do processo de contraordenação que aplicou uma multa de 1,25 milhões. O Jornal Económico sabe a juíza aceitou a ação de impugnação e, “ao contrário do Ministério Público vai chamar testemunhas”, diz fonte conhecedora do processo.

Lista secreta de devedores da banca deverá ser hoje divulgada de forma agregada, sem nomes e créditos individuais

Só deverão ser divulgados dados agregados, não individualizando devedores e respectivas operações dos sete bancos que receberam ajudas públicas nos últimos 12 anos. Valor total de créditos concedidos e valor agregado de perdas deverão ser hoje conhecidos.
Comentários