Empresários contam com diáspora para inverter retrocesso de décadas nas exportações

O presidente da Associação Empresarial de Portugal disse que “regredimos uma década em dois trimestres. Passámos dos 44-45% do Produto Interno Bruto (PIB), com a ambição de chegar aos 50%, e estamos nos 30%”. E defendeu: “Vamos ter de fazer um esforço enorme de voltarmos a atingir esses indicadores, sendo certo que os mercados, atos de consumo, preferências dos consumidores se foram alterando”.

O presidente da Associação Empresarial de Portugal (AEP), Luís Miguel Ribeiro, diz contar com a diáspora portuguesa para ajudar o país a recuperar do retrocesso de uma década nas exportações, causado pela pandemia de covid-19.

Em declarações à agência Lusa a propósito das ações em curso de divulgação da Rede Global da Diáspora uma plataforma online que pretende aproximar as empresas portuguesas na diáspora e ajudá-las a aumentar os seus negócios, Luís Miguel Ribeiro disse contar com os emigrantes para ajudar na recuperação do país.

“Regredimos uma década em dois trimestres. Passámos dos 44-45% do Produto Interno Bruto (PIB), com a ambição de chegar aos 50%, e estamos nos 30%”, lamentou.

E defendeu: “Vamos ter de fazer um esforço enorme de voltarmos a atingir esses indicadores, sendo certo que os mercados, atos de consumo, preferências dos consumidores se foram alterando”.

“Vamos precisar muito dos portugueses na diáspora para nos ajudarem a relançar as nossas empresas. Precisamos de restabelecer novamente contactos e encontrar oportunidades de exportar”, disse.

O presidente da AEP referiu que “as exportações estavam numa base muito pequena de empresas”, a qual a diáspora pode e deve aumentar.

“Temos a felicidade de ter cada vez mais portugueses com cargos de maior relevância lá fora. Integramo-nos muito bem nas comunidades onde estamos e podemos e devemos potenciar isso para Portugal poder voltar a corrigir e a reconquistar esse indicador que era o equilíbrio da balança comercial positiva”, adiantou.

Em abril, as exportações portuguesas registaram uma queda de 39,8%, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Ler mais

Recomendadas

Presidente da República exige maior controlo da legalidade na contratação pública

“É naturalmente compreensível – e até desejável – a necessidade de simplificação e de aperfeiçoamento de procedimentos em matéria de contratação pública que possam, com rigor, implicar a melhoria das condições de vida dos portugueses e permitir flexibilizar a atribuição e a alocação dos referidos fundos”, salientou Marcelo Rebelo de Sousa.

Presidente da República veta diploma que altera regras de contratação pública

Este veto do chefe de Estado foi divulgado no portal da Presidência da República.

Natal e passagem de ano: estas são as 14 regras que vão vigorar

Restaurantes abertos até à uma da manhã nas noites de natal e de passagem de ano, e natal sem interdição de circulação entre concelhos são algumas da medidas que vão vigorar durante a época festiva. Governo avalia medidas a 18 de dezembro à luz da evolução da pandemia da Covid-19.
Comentários